Prestação para a Inclusão chega a mais de 84 mil pessoas com deficiência

A Prestação Social para a Inclusão foi paga, no mês de setembro, a mais de 84 mil pessoas com deficiência, tendo havido um aumento de 0,5% em relação a agosto, segundo dados da Segurança Social.

De acordo com os dados mais recentes, no mês de setembro, 84.403 pessoas com deficiência, e um grau de incapacidade igual ou superior a 60%, receberam a Prestação Social para a Inclusão (PSI), mais 384 do que em agosto.

"Desde o início da implementação da prestação social para a inclusão que se tem verificado um crescimento do número de beneficiários, visivelmente mais acentuado na entrada do ano de 2018, devido à conversão oficiosa das pensões sociais de invalidez nesta prestação", lê-se na síntese de informação estatística da segurança social.

Por outro lado, no que diz respeito aos titulares com direito à bonificação por deficiência, a Segurança Social contabilizou 95.410 pessoas, menos 338 do que em agosto, mas mais 5.551 do que em setembro do ano passado.

O número de pessoas com direito ao subsídio por assistência a terceira pessoa reduziu ligeiramente dos 12.277 beneficiários em agosto para os 12.194 em setembro, número também abaixo dos 12.564 registados no período homólogo de 2017.

Em setembro, houve ainda registo de 5.154 pessoas a receber subsídio por educação especial.

Lisboa/Fim

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.