WebSummit: Ministro do Ambiente reafirma fim do uso de plástico na adminsitração pública até fim do ano

O ministro do Ambiente reafirmou, hoje, na Web Summit, a intenção do governo de, até ao final do ano, deixar de se poder usar objetos de plástico, como copos ou garrafas, nos departamentos da administração pública.

João Pedro Matos Fernandes falava na cimeira tecnológica internacional Web Summit, que está a decorrer em Lisboa até quinta-feira.

"Vamos deixar de usar plásticos em todos os departamentos do Governo até ao final do ano", disse o ministro sublinhando que "o Governo tem de dar o exemplo".

Segundo João Pedro Matos Fernandes, no próximo ano já não haverá garrafas, copos ou sacos de plástico nos serviços da administração pública, uma medida muito aplaudida pela audiência e pelos participantes no painel dedicado ao ambiente onde participou também Alexandra Cousteau, neta do oceanógrafo Jacques Cousteau.

"Parabéns. Este tipo de liderança é importante", disse a cineasta e ambientalista Alexandra Cousteau.

Já Paulo Mirpuri, da fundação Mirpuri, alertou para a necessidade de o plástico em determinadas áreas como a saúde, onde são usadas seringas ou cateteres feitos deste material, passar a ser substituído por um outro tipo de material com menos durabilidade.

A "Mirpuri Foundation" é uma organização sem fins lucrativos fundada pela Família Mirpuri e que desenvolve programas de investigação e projetos de apoio em áreas como a conservação marinha.

O ministro português do Ambiente reconheceu que os produtos médicos serão uma exceção e quando questionado sobre a dificuldade de tomar a decisão nos serviços governamentais portugueses de eliminar o plástico respondeu: "tivemos de criar um compromisso connosco".

No futuro, assegura, há que sensibilizar os funcionários da administração central, mostrando que é possível usar outros produtos.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa, devendo permanecer até 2028 na Altice Arena (antiga Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), em Lisboa.

Nesta terceira edição do evento em Portugal são esperados cerca de 70 mil participantes de mais de 170 países.

A edição deste ano realiza-se até quinta-feira.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Os irados e o PAN

A TVI fez uma reportagem sobre um grupo de nome IRA, Intervenção e Resgate Animal. Retirados alguns erros na peça, como, por exemplo, tomar por sério um vídeo claramente satírico, mostra-se que estamos perante uma organização de justiceiros. Basta, aliás, ir à página deste grupo - que tem 136 000 seguidores - no Facebook para ter a confirmação inequívoca de que é um grupo de gente que despreza a lei e as instituições democráticas e que decidiu fazer aquilo que acha que é justiça pelas suas próprias mãos.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

Falta (transparência) de financiamento na ciência

No início de 2018 foi apresentado em Portugal um relatório da OCDE sobre Ensino Superior e a Ciência. No diagnóstico feito à situação portuguesa conclui-se que é imperativa a necessidade de reformar e reorganizar a Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT), de aumentar a sua capacidade de gestão estratégica e de afastar o risco de captura de financiamento por áreas ou grupos. Quase um ano depois, relativamente a estas medidas que se impunham, o governo nada fez.