WebSummit: Ministro do Ambiente reafirma fim do uso de plástico na adminsitração pública até fim do ano

O ministro do Ambiente reafirmou, hoje, na Web Summit, a intenção do governo de, até ao final do ano, deixar de se poder usar objetos de plástico, como copos ou garrafas, nos departamentos da administração pública.

João Pedro Matos Fernandes falava na cimeira tecnológica internacional Web Summit, que está a decorrer em Lisboa até quinta-feira.

"Vamos deixar de usar plásticos em todos os departamentos do Governo até ao final do ano", disse o ministro sublinhando que "o Governo tem de dar o exemplo".

Segundo João Pedro Matos Fernandes, no próximo ano já não haverá garrafas, copos ou sacos de plástico nos serviços da administração pública, uma medida muito aplaudida pela audiência e pelos participantes no painel dedicado ao ambiente onde participou também Alexandra Cousteau, neta do oceanógrafo Jacques Cousteau.

"Parabéns. Este tipo de liderança é importante", disse a cineasta e ambientalista Alexandra Cousteau.

Já Paulo Mirpuri, da fundação Mirpuri, alertou para a necessidade de o plástico em determinadas áreas como a saúde, onde são usadas seringas ou cateteres feitos deste material, passar a ser substituído por um outro tipo de material com menos durabilidade.

A "Mirpuri Foundation" é uma organização sem fins lucrativos fundada pela Família Mirpuri e que desenvolve programas de investigação e projetos de apoio em áreas como a conservação marinha.

O ministro português do Ambiente reconheceu que os produtos médicos serão uma exceção e quando questionado sobre a dificuldade de tomar a decisão nos serviços governamentais portugueses de eliminar o plástico respondeu: "tivemos de criar um compromisso connosco".

No futuro, assegura, há que sensibilizar os funcionários da administração central, mostrando que é possível usar outros produtos.

A cimeira tecnológica, de inovação e de empreendedorismo Web Summit nasceu em 2010 na Irlanda e mudou-se em 2016 para Lisboa, devendo permanecer até 2028 na Altice Arena (antiga Meo Arena) e na Feira Internacional de Lisboa (FIL), em Lisboa.

Nesta terceira edição do evento em Portugal são esperados cerca de 70 mil participantes de mais de 170 países.

A edição deste ano realiza-se até quinta-feira.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.