Vítimas de violações de direitos humanos em Timor Leste ainda insatisfeitas - AI

As vítimas de violações dos direitos humanos em Timor Leste cometidas durante a ocupação indonésia continuam a exigir justiça e reparações, adverte a Amnistia Internacional (AI) no relatório que publicou hoje.

A AI lembra que estão por cumprir as recomendações da Revisão Periódica Universal das Nações Unidas (UPR) para lidar com violações de direitos humanos passadas e garantir a reparação às vítimas.

Apesar da criação do Centro Nacional Chega (CNC) em 2016 para implementar as recomendações feitas pela Comissão de Acolhimento, Verdade e Reconciliação de Timor-Leste (CAVR) e pela Comissão Verdade e Amizade de Timor-Leste e Indonésia, o CNC nunca recebeu o mandato para abordar as orientações da CAVR.

No documento, a organização alerta para as alegações de uso desnecessário ou excessivo da força e tortura e outros maus tratos pelas forças de segurança, referindo o caso de um homem que foi espancado por elementos da Polícia Nacional a 22 de abril, os quais continuam sem serem responsabilizados.

O relatório alerta ainda para o uso da lei de difamação para restringir a liberdade de expressão, lembrando o processo levantado pelo primeiro-ministro Rui Araújo por alegadas falsas acusações contra os jornalistas Raimundos Oki e Lourenço Vicente Martins, entretanto ilibados.

O relatório da Amnistia Internacional 2017/18 abrange 159 países e oferece uma análise abrangente sobre o estado dos Direitos Humanos à escala mundial, coincidindo com o ano em que a Declaração Universal dos Direitos Humanos celebra o 70º. aniversário.

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.