Vicente Alves do Ó, Salaviza e Marco Martins nos Caminhos do Cinema Português

O festival Caminhos do Cinema Português decorre entre segunda-feira e 03 de dezembro, em Coimbra, contando com a exibição de filmes de Vicente Alves do Ó, João Salaviza, Susana Sousa Dias e Marco Martins, entre outros.

O festival, que se realiza este ano pela 23.ª vez, conta com mais de 50 filmes na seleção Caminhos, entre animação, curtas ficção, curtas documentário, longas ficcionais e documentário, disse à agência Lusa o vice-diretor do festival, Tiago Santos.

A seleção Caminhos (secção competitiva destinada ao cinema português) vai decorrer integralmente no Teatro Académico de Gil Vicente, onde o público poderá encontrar "todo o cinema português - tanto o cinema de autor como o dito cinema comercial", contou o responsável.

"Quando estamos a programar, gostamos que todo o cinema tenha espaço dentro do festival", explanou Tiago Santos, apontando para "A Mãe é Que Sabe", de Nuno Rocha, e "São Jorge", de Marco Martins, como um exemplo da variedade de filmes que se vão poder encontrar na secção competitiva deste ano.

As exibições, que vão decorrer em sessões às 15:00, 17:30 e 21:45, não apresentam "um modelo fixo" como noutros anos (com mistura de curtas, animação e longas), procurando orientar cada sessão em torno de "um tema" que seja transversal aos filmes que são exibidos, afirmou Tiago Santos.

Pelo festival vão passar filmes como "Ubi Sunt", de Salomé Lamas, "São Jorge", de Marco Martins, "Al Berto", de Vicente Alves do Ó, "Delírio em Las Vedras", de Edgar Pêra, "Luz Obscura", de Susana Sousa Dias, e "Altas Cidades de Ossadas", de João Salaviza.

A secção competitiva termina a 03 de dezembro, pelas 15:00, com a exibição de "A Fábrica de Nada", de Pedro Pinho.

Para além da seleção Caminhos, há ainda a secção Ensaios, destinada à cinematografia produzida em contexto académico, em que o festival abre a competição a estudantes internacionais.

"Permite ter uma visão comparativista entre o cinema português e o internacional, em relação à produção, narrativas e estéticas", ao mesmo tempo que possibilita "perceber ou antever o futuro das práticas cinematográficas nacionais e internacionais", frisou Tiago Santos.

Olhando para o panorama nacional, o vice-diretor do festival acredita que "o cinema português poderia estar de melhor saúde", continuando "a não ter o apoio que poderia ter da parte do Estado, bem como da parte do público".

"É um diálogo que se faz entre os dois intervenientes. Não basta ter menções e participações em festivais lá fora. É preciso que o público do cinema tenha a literacia do olhar", frisou Tiago Santos, referindo que, também por isso, o evento continua a promover o contacto com as escolas do concelho, para construir os espectadores de cinema de amanhã.

A entrega dos prémios do festival decorre a 03 de dezembro, no Teatro Académico de Gil Vicente, às 21:45.

Os bilhetes pontuais custam entre quatro e cinco euros, um 'pack' de cinco sessões 15 a 20 euros e o livre-trânsito para o festival entre 25 e 30 euros.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.