Universidade britânica é palco de combate a estereótipos sobre ciência para jovens portugueses

Uma Organização não-governamental e a universidade britânica de Lancaster juntam-se em maio para ensinar a portugueses que a ciência é também uma oportunidade de carreira combatendo os estereótipos que são mais evidentes entre os imigrantes.

O estereótipo de que os cientistas são sobretudo "homens super inteligentes de classe média-alta" deve ser combatido junto dos adolescentes portugueses para os encorajar a seguir carreiras em ciências, tecnologias, engenharia e matemática (CTEM), defende a investigadora Joana Moscoso.

A bióloga é cofundadora da organização sem fins lucrativos Native Scientist, que se associou-se à Universidade de Lancaster, no noroeste de Inglaterra, para promover uma série de oficinas em língua portuguesa para jovens entre os 12 e 15 anos intitulada "Native Explorers", no dia 12 de maio.

De acordo com Moscoso, os estudantes migrantes são duas vezes mais propensos a ter um desempenho inferior em ciência e matemática do que o resto dos colegas, acabando por rejeitar uma carreira em CTEM e por não frequentar o ensino superior.

No caso da comunidade tradicional de emigrantes portugueses, a experiência que retirou do trabalho com crianças do ensino primário ao longo de cinco anos é que é frequente a falta de incentivo a carreiras científicas.

"Há um estereótipo de que a ciência é só para um certo tipo de pessoas - homens super inteligentes de classe média-alta. Há também uma grande falta de conhecimento sobre o que é, de facto, ser cientista. Isso faz com que muitas pessoas não considerem uma carreira nessa área", disse à agência Lusa.

As oficinas vão tentar atrair adolescentes de origem portuguesa e dar-lhes uma experiência na universidade, onde terão oportunidade de contactar com investigadores em áreas como engenharia química, biologia, astrofísica ou empreendedorismo.

"Uma grande proporção de crianças decide que a ciência 'não é para mim' até aos 12 anos. Enquanto que a maioria das atividades da Native Scientist são para crianças com menos de 12 anos, trabalhar com adolescentes é importante na medida em que os pode ajudar a reavivar o fascínio pela ciência e promover uma atitude de 'eu posso ser cientista se eu quiser', vincou Moscoso.

Na véspera, a 11 de maio, a universidade de Lancaster realiza um evento chamado "Outreach without Borders" [Divulgação sem Fronteiras], direcionado sobretudo a académicos, profissionais ou empreendedores sociais, onde serão discutidos desafios e oportunidades para a comunicação da ciência junto do público em geral.

Joana Moscoso refere como esta actividade tem evoluído nas últimas décadas, e que, para além das visitas de estudo a museus e documentários televisivos sobre a vida animal, existem agora eventos como festivais de ciência ou a deslocação dos próprios cientistas às escolas.

"Neste evento vamos falar das últimas tendências neste campo, que são o desenvolvimento de atividades de comunicação de ciência viradas para um pública-alvo muito específico a fim de promover a inclusão e diversidade. Vamos apresentar projetos como a Native Scientist, para crianças imigrantes ou o Sex & Bugs & Rock N Roll, para apaixonados da música", revelou.

A Universidade de Lancaster é considerada uma das dez melhores universidades do Reino Unido, onde 35% dos estudantes são internacionais, provenientes de mais de 122 países.

Vários dos seus docentes são também estrangeiros, como os portugueses Nuno Bimbo, Elizabete Carmo-Silva, Ricardo Zózimo, que vão promover as oficinas no segundo dia, e Patrick Rebuschat, responsável pelo projeto de colaboração com a Native Scientist.

Segundo este especialista em linguística, este projeto "proporciona aos académicos de Lancaster uma oportunidade importante para refletir sobre a comunicação da ciência e sobre o seu papel no aumento da participação e [uma oportunidade] para partilhar conhecimentos com uma organização única de divulgação científica que inspira crianças e adolescentes migrantes em toda a Europa a estudar disciplinas CTEM e a desenvolver a proficiência nas suas línguas nativas".

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.