Tribunal de Camberra inicia julgamento de delator de escutas em Timor-Leste

Dois homens acusados da divulgação de escutas ilegais australianas ao Governo timorense começaram quarta-feira a ser julgados pelo tribunal de Camberra, capital da Austrália, julgamento iniciado ainda sem a presença dos arguidos.

Os visados são o antigo espião 'Testemunha K' e o seu advogado, Bernard Collaery.

Na primeira sessão, o processo focou-se no tratamento que será dado às questões de segurança nacional, com o avanço do caso nos tribunais, tendo ambas as partes afirmado que iriam tentar chegar a um acordo antes da apresentação das acusações, em outubro, segundo avançou o canal televisivo australiano ABC.

A sessão de quarta-feira foi aberta ao público, mas o procurador-geral federal deverá pedir que várias provas sejam apresentadas à porta fechada, durante o julgamento.

o ex-espião e o advogado enfrentam uma pena máxima de dois anos de prisão, caso sejam considerados culpados pelo tribunal.

No exterior do tribunal da capital australiana, onde decorreu a primeira sessão, vários manifestantes pediram ao Governo federal que levantasse as acusações contra os dois suspeitos.

Em causa está uma denúncia por parte da 'Testemunha K', que divulgou um esquema de escutas montado pelos serviços secretos australianos em escritórios do Governo timorense, em Díli.

As escutas foram instaladas em 2004 por uma equipa liderada pela 'Testemunha K' durante obras de reconstrução dos escritórios, oferecidas como cooperação humanitária pela Austrália.

De acordo com os relatos, através das escutas, o Governo australiano obteve informações que permitiriam favorecer as intenções australianas nas negociações com Timor-Leste da fronteira marítima e pelo controlo da zona Greater Sunrise, uma rica reserva de petróleo e gás.

O tratado, que acabou por ser assinado, apontava que cada país teria 50% da área a explorar, embora a maior parte das reservas se encontrasse dentro de território timorense.

Quando tomou conhecimento da existência das escutas, Díli contestou o tratado e apresentou uma queixa contra a espionagem de Camberra junto do Tribunal Arbitral de Haia, argumentando que, devido às ações do Governo australiano, o acordo era ilegal.

Timor-Leste retirou a acusação como ato de boa fé e, em março de 2018, os dois países assinaram um novo tratado que delimitou uma fronteira marítima permanente entre os dois países, passando Díli a receber pelo menos 70% das receitas originárias da exploração do Greater Sunrise.

Desde 2012 que a 'Testemunha K' está retida na Austrália, depois de os serviços secretos australianos (ASIO) terem confiscado o passaporte, entre outros documentos.

Em 2016, a testemunha viu-se impossibilitada de viajar até Haia para prestar declarações, visto que o Ministério dos Negócios Estrangeiros australiano negou uma nova emissão do passaporte.

O primeiro-ministro australiano, Scott Morrison, disse esperar que "a Justiça seja feita".

"É nossa intenção que as coisas sejam conduzidas de uma forma que permita que a Justiça seja feita", disse Scott Morrison, em declarações aos jornalistas horas antes do início do julgamento.

"Terá sempre o apoio da Austrália e dos serviços consulares que qualquer australiano pode esperar. Mas ao mesmo tempo temos que respeitar as leis dos nossos vizinhos e de outros países", afirmou, numa conferência de imprensa transmitida em direto pelas televisões australianas.

Peter Galbraith, um ex-diplomata da ONU que integrou a equipa de Timor-Leste espiada em 2004, criticou a Justiça australiana relativamente ao caso.

Em declarações ao jornal britânico The Guardian, Galbraith considerou a acusação aos dois homens uma ação "vingativa e sem sentido", defendendo que a Austrália devia esquecer este "episódio pouco edificante".

Galbraith insistiu que a operação de espionagem conduzida contra ele e outros funcionários de Timor-Leste foi "claramente um crime" à luz da lei internacional.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

Que a clubite não mate a história empolgante de um hacker

O hacker português é provavelmente uma história à portuguesa. Rapaz esperto, licenciado em História e especialista em informática, provavelmente coca-bichinhos, tudo indica, toupeira da internet, fã de futebol, terá descoberto que todos os estes interesses davam uma mistura explosiva, quando combinados. Pôs-se a investigar sites, e-mails de fundos de jogadores, de jogadores, de clubes de jogadores, de agentes de jogadores e de muitas entidades ligadas a esse estranho e grande mundo do futebol.

Premium

Ferreira Fernandes

"Orrrderrr!", começou a campanha europeia

Através do YouTube, faz grande sucesso entre nós um florilégio de gritos de John Bercow - vocês sabem, o speaker do Parlamento britânico. O grito dele é só um, em crescendo, "order, orrderr, ORRRDERRR!", e essa palavra quer dizer o que parece. Aquele "ordem!" proclamada pelo presidente da Câmara dos Comuns demonstra a falta de autoridade de toda a gente vulgar que hoje se senta no Parlamento que iniciou a democracia na velha Europa. Ora, se o grito de Bercow diz muito mais do que parece, o nosso interesse por ele, através do YouTube, diz mais de nós do que de Bercow. E, acreditem, tudo isto tem que ver com a nossa vida, até com a vidinha, e com o mundo em que vivemos.

Premium

Marisa Matias

Mulheres

Nesta semana, um país inteiro juntou-se solidariamente às mulheres andaluzas. Falo do nosso país vizinho, como é óbvio. A chegada ao poder do partido Vox foi a legitimação de um discurso e de uma postura sexistas que julgávamos já eliminadas aqui por estes lados. Pois não é assim. Se durante algumas décadas assistimos ao reforço dos direitos das mulheres, nos últimos anos, a ascensão de forças políticas conservadoras e sexistas mostrou o quão rápida pode ser a destruição de direitos que levaram anos a construir. Na Hungria, as autoridades acham que o lugar da mulher é em casa, na Polónia não podem vestir de preto para não serem confundidas com gente que acha que tem direitos, em Espanha passaram a categoria de segunda na Andaluzia. Os exemplos podiam ser mais extensos, os tempos que vivemos são estes. Mas há sempre quem não desista, e onde se escreve retrocesso nas instituições, soma-se resistência nas ruas.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Ser ou não ser, eis a questão

De facto, desde o famoso "to be, or not to be" de Shakespeare que não se assistia a tão intenso dilema britânico. A confirmação do desacordo do Brexit e o chumbo da moção de censura a May agudizaram a imprevisibilidade do modo como o Reino Unido acordará desse mesmo desacordo. Uma das causas do Brexit terá sido certamente a corrente nacionalista, de base populista, com a qual a Europa em geral se debate. Mas não é a única causa. Como deverá a restante Europa reagir? Em primeiro lugar, com calma e serenidade. Em seguida, com muita atenção, pois invariavelmente o único ganho do erro resulta do que aprendemos com o mesmo. Imperativo é também que aprendamos a aprender em conjunto.