Serenatas em aldeia de Arganil retomam ciclo dedicado ao fado de Coimbra

O espetáculo "Serenatas à janela" retoma no sábado, em São Martinho da Cortiça, Arganil, um ciclo musical dedicado ao fado de Coimbra que percorrerá 19 municípios da região até abril de 2019.

Integrada num novo conjunto de espetáculos do ciclo "À volta do fado", a iniciativa "Serenatas à janela" conta com a participação de Bruno Costa (guitarra portuguesa), Nuno Botelho (guitarra clássica) e António Ataíde (voz).

São Martinho da Cortiça, no distrito de Coimbra, acolhe no primeiro dia de setembro, às 21:00, atuações "em vários locais da aldeia, replicando as tradicionais serenatas estudantis", segundo a organização do "Coimbra Região de Cultura".

Trata-se de "uma rede de programação patrimonial e cultural" que assumiu a organização de mais de 150 iniciativas, todas com entrada livre, nos 19 municípios que integram a Região de Coimbra.

No ciclo "À volta do fado", a programação "cruza o fado e a canção de Coimbra com diversas artes, saberes e sabores da cultura nacional".

Em "Serenatas à janela", no sábado, serão realizadas atuações breves em três locais diferentes de São Martinho da Cortiça, culminando o serão com um espetáculo no largo da Igreja Matriz, previsto para as 21:40.

"Pretendendo homenagear o legado do fado e da canção de Coimbra como património imaterial único, e fortalecer a sua conexão com os territórios", o ciclo "À volta do fado" inclui ainda, em setembro, os espetáculos "Coimbra com Vitorino' (Oliveira do Hospital) e "Fado pintado" (Penela), no dias 22 e 29, respetivamente.

Um julho, no âmbito do mesmo programa, já foram realizados concertos em Mira e Coimbra.

O ciclo encerra no dia 27 de abril de 2019, no Centro de Artes e Espetáculos (CAE) da Figueira da Foz, com o espetáculo "Fado dançado", que articula temas da canção de Coimbra com dança contemporânea pela Escola de Dança do Colégio Rainha Santa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.

Premium

Rui Pedro Tendinha

O João. Outra vez, o João Salaviza...

Foi neste fim de semana. Um fim de semana em que o cinema português foi notícia e ninguém reparou. Entre ex-presidentes de futebol a serem presos e desmentidos de fake news, parece que a vitória de Chuva É Cantoria na Aldeia dos Mortos, de Renée Nader Messora e João Salaviza, no Festival do Rio, e o anúncio da nomeação de Diamantino, de Daniel Schmidt e Gabriel Abrantes, nos European Film Awards, não deixou o espaço mediático curioso.