Santuário de Fátima elogia obra da escultora Clara Menéres

O Santuário de Fátima elogiou hoje a obra da escultora Clara Menéres, que morreu na quinta-feira, destacando que trabalhou em "momentos-chaves" da vida da instituição.

Segundo uma nota do Museu do Santuário de Fátima, disponibilizada na página na Internet do templo, Clara Menéres "trabalhou no Santuário de Fátima por diversas vezes e em momentos-chave da vida do santuário da Cova da Iria".

"Entre as suas peças mais contempladas está Santa Jacinta Marto, escultura criada para o túmulo da vidente de Fátima, quando da sua beatificação, em 2000, pelo papa João Paulo II", adianta a nota, assinada pelo diretor do Museu do Santuário de Fátima, Marco Daniel Duarte, destacando que nesta obra "sobressai a erudição que caracteriza a escultora, de mão segura na composição e artista muito informada sobre a biografia da criança que retratava".

Já no presépio que em 2010 criou para a Basílica da Santíssima Trindade, Clara Menéres "assumiu a escala daquele templo e projetou, aliando a modelação e a criação multimédia, um dos conjuntos escultóricos mais apreciados pelos peregrinos do Santuário de Fátima", adianta a mesma nota, sublinhando que, "usando linguagens diversas no tratamento dos vultos escultóricos --- os corpos através da síntese e os rostos através da gentil figuração --- apresenta as imagens da Sagrada Família, levemente policromadas, com serena sensibilidade".

O museu lembra ainda que "foi a esta escultora que o Santuário de Fátima recorreu para celebrar, através de uma peça artística, o Centenário das Aparições do Anjo, em 2016", adiantando que "sobre a porta da capela do Anjo da Paz, Clara Menéres esculpiu a figura angélica como um pontífice ou patriarca, na senda do entendimento destas figuras nas fontes bíblicas, e colocou-lhe uma pomba na mão direita e um ramo de oliveira, virado à terra, na outra mão".

"Também a Clara Menéres o Santuário de Fátima recorreu como conselheira artística, nomeadamente quando a chamou a integrar os membros de júri de importantes concursos, como o que levou à criação das esculturas de Francisco e Jacinta (no recinto de oração) e à criação das obras de arte do novo presbitério inaugurado em 2016", acrescenta.

Segundo o diretor do museu, "a temática de Fátima pontuou a vida da autora de 'Jaz Morto o Menino de Sua Mãe'", peça que "marcou o Portugal de 1973 por se traduzir num manifesto político anti-Guerra Colonial" e que esteve no Santuário de Fátima numa exposição temporária, "porquanto trabalhou por diversas vezes a temática da Virgem de Fátima".

A obra de Clara Menéres "situa-se, de facto, entre a modelação a investigação do mundo e do transcendente", realçou ainda Marco Daniel Duarte.

A escultora Clara Menéres, de 74 anos, cuja vida e obra ficaram marcadas pela religiosidade, morreu na quinta-feira, ao princípio da noite, numa unidade hospitalar em Lisboa, disse hoje à agência Lusa fonte da família.

A artista, de origem minhota, será sepultada no Cemitério de Santo Estêvão de Barrosas, no concelho de Lousada.

De acordo com a mesma fonte, Clara Menéres estava ainda ativa e a última peça da sua autoria foi a estátua de João Paulo II, inaugurada na altura da Páscoa, numa rotunda da Maia, no Porto.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.