Santa Maria da Feira eleita Capital da Cultura do Eixo Atlântico em 2018

Santa Maria da Feira foi eleita "Capital da Cultura do Eixo Atlântico 2018", anunciou hoje a autarquia a propósito da associação transfronteiriça que envolve 38 cidades do noroeste peninsular, em Portugal e Espanha.

"Nos últimos anos temos potenciado e promovido grandes eventos para além das nossas fronteiras, como a [recriação histórica] Viagem Medieval, o [festival internacional de artes de rua] Imaginarius e o [parque temático natalício] Perlim, e temos vindo a atrair cada vez mais público nacional e estrangeiro, e a conquistar mais mercados", declara em comunicado Emídio Sousa, presidente da autarquia portuguesa distinguida.

Para o autarca, "esta designação do Eixo Atlântico é o reconhecimento dos pares do Norte de Portugal e da Galiza" de que Santa Maria da Feira é "um concelho onde a cultura é um investimento e não uma despesa".

Com base nessa distinção, Emídio Sousa adianta que a eleição de Santa Maria da Feira como Capital da Cultura do Noroeste Peninsular "vai ter um enorme impacto naquilo que vai ser a estratégia" do seu mandato autárquico.

Já para Gil Ferreira, vereador da Cultura na Câmara da Feira, as atenções que vão recair sobre o município ao longo de 2018 resultam de "um trabalho de anos", que elevou o concelho a "capital nacional dos grandes eventos do lazer e entretenimento em Portugal".

"Podemos ombrear com o que de melhor se faz em Lisboa e no Porto", defende o vereador, acrescentando que "a Capital da Cultura do Eixo Atlântico 2018 é apenas mais uma etapa no caminho de trabalho, inovação e vanguardismo".

O mesmo comunicado da autarquia recorda que a produção dos eventos apontados como "expoentes máximos" da atividade cultural de Santa Maria da Feira são "maioritariamente produzidos, encenados e realizados" por associações locais, "numa demonstração de grande riqueza e competência performativa".

Em 2017, a Viagem Medieval atraiu à cidade cerca de 600 mil pessoas, sendo que o programa do festival Imaginarius contou com cerca de 400 artistas de 13 países. Por sua vez, o parque temático Perlim, que volta a abrir ao público no próximo dia 01 de dezembro, recebeu em 2016 mais de 100 mil visitantes.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O governo continua a enganar os professores

Nesta semana o Parlamento debateu as apreciações ao decreto-lei apresentado pelo governo, relativamente à contagem do tempo de carreira dos professores. Se não é novidade para este governo a contestação social, também não é o tema da contagem do tempo de carreira dos professores, que se tem vindo a tornar um dos mais flagrantes casos de incompetência política deste executivo, com o ministro Tiago Brandão Rodrigues à cabeça.