REPORTAGEM; Incêndios: Arganil era um paraíso para estrangeiros que prometem ficar para a reconstrução

Na zona de Benfeita, em Arganil, há quase tantos estrangeiros como portugueses. As encostas da Serra do Açor e a Mata da Margaraça eram o seu paraíso. No meio das cinzas, prometem arregaçar as mangas e ajudar na reconstrução.

Caroline Rodger viajou da Escócia para Portugal há cinco anos, trocando um trabalho "stressante" pela vida em comunidade no interior do país, tendo-se apaixonado pelas pessoas e pela natureza que a rodeava.

Como ela, muitos outros encontraram em Arganil e concelhos vizinhos um modo de vida alternativo, em comunhão com a natureza, que parece agora completamente destruído.

Caroline anda à beira da pequena e ziguezagueante estrada que percorre os montes em direção à Serra do Açor à procura dos seus dois gatos, Fubu e Cushy, que não sabe onde estão.

A sua casa e a sua carrinha arderam às portas da aldeia de xisto de Benfeita.

"Perdi tudo. Todas as minhas coisas foram com as chamas", disse à agência Lusa Caroline, contando que como ela há mais estrangeiros que perderam as suas casas.

Quando as chamas estavam próximas, dirigiu-se para a aldeia e por lá ficou com outros estrangeiros que tinham procurado abrigo em Benfeita.

"Estamos traumatizados. Os fogos encurralaram-nos na aldeia. Todos pensámos que íamos morrer, com tudo a arder à nossa volta", conta Alex Conlund, que viajou da Irlanda com o seu marido.

Escolheu viver em Pardieiros, em plena Serra do Açor, por amor "à floresta tradicional, com as suas grandes árvores e rios".

Com o marido reformado, estavam há ano e meio a restaurar uma antiga quinta, que ficou "completamente queimada".

"Era o projeto para o resto da nossa vida", diz Alex, com um olhar e tom de voz que mantêm o desespero daquilo que sentiu no domingo.

Entre soluços e lágrimas, sublinha que na sua quinta apenas sobreviveram "os castanheiros e os carvalhos".

"Os eucaliptos e os pinheiros estão a assassinar este país. Isto é homicídio", frisou Alex, revoltada por ver a Mata da Margaraça, que tanto gostava, quase completamente destruída.

No entanto, quer ficar e lutar para ajudar na reconstrução.

Caroline é da mesma opinião.

"Vamos todos ficar. Ninguém vai embora. Vamos ajudar a replantar as árvores, mas de forma consciente e segura, para que não ajude a criar incêndios. Toda a gente que conheço ninguém diz que quer ir embora. Perdemos tudo, mas todos querem ficar. Vamos ser mais fortes", sublinhou a escocesa.

Na aldeia de Benfeita, onde a proporção de estrangeiros e portugueses é quase 50-50, Adelino Simões ainda não conseguiu perder o hábito que ganhou nos últimos oito anos, mesmo que agora não valha a pena.

Todos os dias, acordava e, depois do café da manhã, ia para o cimo da aldeia tratar das suas cabras.

Perdeu os barracões que tinha de apoio à agricultura e salvou quatro cabras, que já vendeu por não ter pasto para as alimentar.

"Ardeu tudo o que tinha lá para cima [num monte próximo da aldeia]. Ainda hoje lá fui e fui fazer o quê? Perdi a rotina e perdi a cabeça também", conta.

Agora, procura ajustar-se a uma nova rotina, sem as suas cabras e sem a agricultura, numa terra onde era o único com animais.

"Se for ao café, vê um português e de resto é uma dúzia de estrangeiros. Se isto está mau, seria muito pior se não houvesse estrangeiros", nota.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.