REPORTAGEM; Incêndios: Arganil era um paraíso para estrangeiros que prometem ficar para a reconstrução

Na zona de Benfeita, em Arganil, há quase tantos estrangeiros como portugueses. As encostas da Serra do Açor e a Mata da Margaraça eram o seu paraíso. No meio das cinzas, prometem arregaçar as mangas e ajudar na reconstrução.

Caroline Rodger viajou da Escócia para Portugal há cinco anos, trocando um trabalho "stressante" pela vida em comunidade no interior do país, tendo-se apaixonado pelas pessoas e pela natureza que a rodeava.

Como ela, muitos outros encontraram em Arganil e concelhos vizinhos um modo de vida alternativo, em comunhão com a natureza, que parece agora completamente destruído.

Caroline anda à beira da pequena e ziguezagueante estrada que percorre os montes em direção à Serra do Açor à procura dos seus dois gatos, Fubu e Cushy, que não sabe onde estão.

A sua casa e a sua carrinha arderam às portas da aldeia de xisto de Benfeita.

"Perdi tudo. Todas as minhas coisas foram com as chamas", disse à agência Lusa Caroline, contando que como ela há mais estrangeiros que perderam as suas casas.

Quando as chamas estavam próximas, dirigiu-se para a aldeia e por lá ficou com outros estrangeiros que tinham procurado abrigo em Benfeita.

"Estamos traumatizados. Os fogos encurralaram-nos na aldeia. Todos pensámos que íamos morrer, com tudo a arder à nossa volta", conta Alex Conlund, que viajou da Irlanda com o seu marido.

Escolheu viver em Pardieiros, em plena Serra do Açor, por amor "à floresta tradicional, com as suas grandes árvores e rios".

Com o marido reformado, estavam há ano e meio a restaurar uma antiga quinta, que ficou "completamente queimada".

"Era o projeto para o resto da nossa vida", diz Alex, com um olhar e tom de voz que mantêm o desespero daquilo que sentiu no domingo.

Entre soluços e lágrimas, sublinha que na sua quinta apenas sobreviveram "os castanheiros e os carvalhos".

"Os eucaliptos e os pinheiros estão a assassinar este país. Isto é homicídio", frisou Alex, revoltada por ver a Mata da Margaraça, que tanto gostava, quase completamente destruída.

No entanto, quer ficar e lutar para ajudar na reconstrução.

Caroline é da mesma opinião.

"Vamos todos ficar. Ninguém vai embora. Vamos ajudar a replantar as árvores, mas de forma consciente e segura, para que não ajude a criar incêndios. Toda a gente que conheço ninguém diz que quer ir embora. Perdemos tudo, mas todos querem ficar. Vamos ser mais fortes", sublinhou a escocesa.

Na aldeia de Benfeita, onde a proporção de estrangeiros e portugueses é quase 50-50, Adelino Simões ainda não conseguiu perder o hábito que ganhou nos últimos oito anos, mesmo que agora não valha a pena.

Todos os dias, acordava e, depois do café da manhã, ia para o cimo da aldeia tratar das suas cabras.

Perdeu os barracões que tinha de apoio à agricultura e salvou quatro cabras, que já vendeu por não ter pasto para as alimentar.

"Ardeu tudo o que tinha lá para cima [num monte próximo da aldeia]. Ainda hoje lá fui e fui fazer o quê? Perdi a rotina e perdi a cabeça também", conta.

Agora, procura ajustar-se a uma nova rotina, sem as suas cabras e sem a agricultura, numa terra onde era o único com animais.

"Se for ao café, vê um português e de resto é uma dúzia de estrangeiros. Se isto está mau, seria muito pior se não houvesse estrangeiros", nota.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

"Gilets jaunes": se querem a globalização, alguma coisa tem de ser feita

Há muito que existe um problema no mundo ocidental que precisa de uma solução. A globalização e o desenvolvimento dos mercados internacionais trazem benefícios, mas esses benefícios tendem a ser distribuídos de forma desigual. Trata-se de um problema bem identificado, com soluções conhecidas, faltando apenas a vontade política para o enfrentar. Essa vontade está em franco desenvolvimento e esperemos que os recentes acontecimentos em França sejam mais uma contribuição importante.