PyeongChang2018: Timorense Yohan Goutt Gonçalves quer melhorar o tempo no slalom

Yohan Goutt Gonçalves vai voltar a ser o único representante de Timor-Leste nos Jogos Olímpicos de Inverno PyeongChang2018, ambicionando melhorar o registo alcançado na estreia, em Sochi2014.

Certo é que na sexta-feira, quando voltar a desfilar, sozinho, na cerimónia de abertura da competição, na Coreia do Sul, a bandeira que vai transportar vai voltar a suscitar perguntas.

Primeiro, porque muitos não vão reconhecer o símbolo de Timor-Leste e, depois, porque muitos outros vão perguntar onde treina um esquiador de um país tropical.

"Sempre quis correr por Timor, sempre quis fazer isso. Desde os oito anos que disse à minha mãe que iria esquiar por Timor", contou à Lusa o esquiador, filho de pai francês e mãe timorense, que vive atualmente em França.

"Foi um processo. O meu tio lutou pela Fretilin no mato durante o período da ocupação indonésia. Esquiar com a bandeira de Timor agora é mostrar que o país existe e que Timor não é só a guerra e os problemas do passado. É também desporto, juventude e outras coisas", explicou, numa conversa telefónica com a Lusa.

O jovem esquiador, que em dezembro de 2017 completou 23 anos, vai participar na Coreia do Sul pela segunda vez em Jogos Olímpicos de Inverno, quatro anos depois da estreia, na Rússia, quando também entrou com a bandeira de Timor-Leste, sozinho, na cerimónia de abertura.

"Nessa altura fui muito procurado. As pessoas não conheciam a bandeira e foram pesquisar. Fui contactado por muita gente que queria visitar Timor, até por empresários que queriam saber mais sobre o país", recordou.

Entre os contactos com este improvável embaixador do desporto timorense, o esquiador acabou por colaborar com uma organização de voluntários que, no ano passou, esteve a trabalhar com a Clínica do Bairro Pité em Díli.

Reconhecendo as complicações de ter o apoio de uma federação, Yohan Goutt Gonçalves diz contar com familiares e amigos, com o Comité Olímpico Internacional (COI) e com o "grande entusiasmo de Timor e de muitos timorenses".

Em 2015, esteve dois meses em Timor-Leste, onde quer voltar ao país este ano, quando a época terminar.

Goutt Gonçalves esteve parado dois anos para juntar dinheiro e no final de 2016 voltou aos treinos e ao regime intenso: esquia quase diariamente, participa em dezenas de competições internacionais - esteve no ano passado no primeiro campeonato do mundo - e preparou-se para PyeongChang2018.

"Na Rússia, o cenário era difícil, mas, na estreia, consegui ficar no 'top 50'. Repetir isso seria fantástico. Poder voltar a ver a bandeira de Timor-Leste a acabar a corrida", frisou.

Em Sochi2014, o timorense concluiu as duas mangas do slalom na 43.ª posição, a última entre os atletas que concluíram a prova, dos 117 participantes, em 2.30,89 minutos, gastando mais 49.05 segundos do que o vencedor, o austríaco Mario Matt. O 42.º classificado, o libanês Alexandre Mohbat cumpriu as duas mangas em 2.21,79 minutos.

Exclusivos

Premium

Líderes europeus

As divisões da Europa 30 anos após o fim da Cortina de Ferro

Angela Merkel reuniu-se com Viktor Orbán, Emmanuel Macron com Vladimir Putin. Nos próximos dias, um e outro receberão Boris Johnson. E Matteo Salvini tenta assalto ao poder, enquanto alimenta a crise do navio da ONG Open Arms, com 107 migrantes a bordo, com a Espanha de Pedro Sánchez. No meio disto tudo prepara-se a cimeira do G7 em Biarritz. E assinala-se os 30 anos do princípio do fim da Cortina de Ferro.