Projeto de empreendedorismo desenvolvido por 13 politécnicos é "estruturante"- ministro

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, Manuel Heitor, considerou hoje "estruturante" o projeto Polientrepreneurship Innovation Network (PIN), desenvolvido por 13 institutos politécnicos, para promover o aumento das competências empreendedoras e a criação de emprego.

"O projeto PIN é estruturante, certamente, ao nível do impacto que tem que ter na formação, ao nível do impacto que tem que ter na atração de novos públicos para o ensino politécnico e, certamente, ao nível que deve ter em induzir novas agendas de investigação", disse.

Manuel Heitor, que falava na cerimónia de apresentação do projeto PIN, no Centro de Ciência do Café, em Campo Maior, no distrito de Portalegre, alertou ainda que este tipo de iniciativas "exige" um trabalho de internacionalização dos institutos politécnicos.

"Este projeto de ajuda aos empreendedores a atingirem mercados que vão muito para além dos mercados regionais ou nacionais é, por ventura, um dos principais desafios de uma rede como o PIN que, por isso exige, claramente, a internacionalização dos politécnicos", disse.

O PIN, que teve início em 2015 e assenta numa "interface digital" para "oferecer" aos participantes ferramentas para a implementação de negócios, envolve os institutos politécnicos de Beja, Bragança, Castelo Branco, Cávado e Ave, Coimbra, Guarda, Leiria, Portalegre, Santarém, Tomar, Viana do Castelo e Viseu.

O objetivo é fomentar a criação de 45 empresas, 15 patentes e 120 projetos de vocação empresarial, num processo que envolverá quase 1.500 estudantes ao longo de um ano.

O PIN envolve um investimento superior a 1,1 milhões de euros, em parte financiado pelos programas Compete 2020 e Portugal 2020.

De acordo com os institutos politécnicos envolvidos neste projeto, o PIN é uma "expressão" da parceria que a rede de institutos vem desenvolvendo desde 2003, no âmbito do programa Poliempreende, para "promover o espírito" empresarial e formar alunos e docentes para o empreendedorismo.

Nos últimos 13 anos, o programa Poliempreende envolveu cerca de cinco mil estudantes e gerou cerca de 1 500 projetos empresariais, 82 empresas criadas e mais de 80 patentes registadas.

No decorrer da apresentação do projeto, o presidente do Conselho Coordenador dos Institutos Superiores Politécnicos, Nuno Mangas, congratulou-se com o trabalho desenvolvido em redor da criação do PIN, sublinhando ainda o trabalho que foi desenvolvido em rede, ao longo dos tempos, pelos institutos politécnicos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Começar pelas portagens no centro nas cidades

É fácil falar a favor dos "pobres", difícil é mudar os nossos hábitos. Os cidadãos das grandes cidades têm na mão ferramentas simples para mudar este sistema, mas não as usam. Vejamos a seguinte conta: cada euro que um português coloca num transporte público vale por dois. Esse euro diminui o astronómico défice das empresas de transporte público. Esse mesmo euro fica em Portugal e não vai direto para a Arábia Saudita, Rússia ou outro produtor de petróleo - quase todos eles cleptodemocracias.