Programa europeu Erasmus tem sido o "betão armado" da cultura europeia - ministro da Educação

O Ministro da Educação disse hoje que o programa europeu Erasmus tem sido o "betão armado" da cultura europeia e que irá "nutrir" essa identidade sendo também financeiramente vantajoso.

"Nenhum político, nenhum discurso, nenhum tratado poderá trabalhar tanto em prol da União Europeia como as pessoas que passaram pelo Erasmus", disse Tiago Brandão Rodrigues numa conferência da Agência Nacional Erasmus+ e Fórum Estudante, no âmbito das comemorações em Lisboa do 30.º aniversário do programa.

Nesta conferência foram apresentados diversos testemunhos de quem participou no programa europeu de mobilidade. Tiago Brandão Rodrigues foi um dos alunos Erasmus tendo recebido recentemente o prémio Geração Erasmus + atribuído pelo Parlamento Europeu.

"Todos nós entendemos que a experiencia Erasmus irá nutrir a identidade europeia como nenhuma outra peça logística da União Europeia", disse Tiago Brandão Rodrigues adiantando que é financeiramente vantajoso cada euro gasto neste programa.

Para exemplificar esta vantagem financeira o ministro apontou o caso do 'brexit' considerando que se a votação fosse feita apenas pelos jovens Erasmus a vitória da opção pela permanência do Reino Unido na União Europeia teria sido esmagadora.

"A falta de internacionalização de muitos dos britânicos levou ao entendimento desses britânicos que a experiencia europeia não era positiva e isso acaba por fazer pagar uma fatura para todos os europeus inclusivamente para os britânicos a curto, medio e longo prazo", disse.

Durante a conferência que contou ainda com a presença do Comissário Europeu da Educação, Cultura, Juventude e Desporto, Tibor Navracsics, foram colocadas algumas questões relacionadas com o programa entre as quais a necessidade de este também ser acessível aos jovens desfavorecidos e a necessidade de adequar as bolsas aos custos reais das cidades.

Quer o ministro quer o comissário europeu consideraram ser dois desafios a ter em conta alertando para a necessidade de o programa ter maior financiamento o que, segundo Tibor Navracsics, implicaria uma maior participação financeira dos Estados Membros.

No primeiro ano do programa, em 1987, 3.244 jovens usufruíram da mobilidade e entre 1987 e 2017, um total de nove milhões de jovens beneficiaram de uma experiência internacional para estudar, viajar, estagiar, ganhar experiência profissional ou fazer voluntariado noutro país.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.

Premium

João Taborda da Gama

Le pénis

Não gosto de fascistas e tenho pouco a dizer sobre pilas, mas abomino qualquer forma de censura de uns ou de outras. Proibir a vista dos pénis de Mapplethorpe é tão condenável como proibir a vinda de Le Pen à Web Summit. A minha geração não viveu qualquer censura, nem a de direita nem a que se lhe seguiu de esquerda. Fomos apenas confrontados com alguns relâmpagos de censura, mais caricatos do que reais, a última ceia do Herman, o Evangelho de Saramago. E as discussões mais recentes - o cancelamento de uma conferência de Jaime Nogueira Pinto na Nova, a conferência com negacionista das alterações climáticas na Universidade do Porto - demonstram o óbvio: por um lado, o ato de proibir o debate seja de quem for é a negação da liberdade sem mas ou ses, mas também a demonstração de que não há entre nós um instinto coletivo de defesa da liberdade de expressão independentemente de concordarmos com o seu conteúdo, e de este ser mais ou menos extremo.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A direita definida pela esquerda

Foi a esquerda que definiu a direita portuguesa, que lhe identificou uma linhagem, lhe desenhou uma cosmologia. Fê-lo com precisão, estabelecendo que à direita estariam os que não encaram os mais pobres como prioridade, os que descendem do lado dos exploradores, dos patrões. Já perdi a conta ao número de pessoas que, por genuína adesão ao princípio ou por mero complexo social ou de classe, se diz de esquerda por estar ao lado dos mais vulneráveis. A direita, presumimos dessa asserção, está contra eles.