Presidente da associação de bancos critica acordos governativos que "adiam o futuro"

O presidente da Associação Portuguesa de Bancos, Faria de Oliveira, criticou hoje os acordos governativos "de conveniência" que "comportam sérios riscos para o futuro" porque "o adiam", apesar de resolverem "questões de curto prazo", como acontece em Portugal.

"Neste ambiente político, de difícil criação de maiorias, quando não existe uma cultura de compromisso, é muito difícil gerar soluções políticas estáveis e proporcionar o enquadramento necessário ao crescimento económico sustentado e ao progresso social. E isso é ainda mais complexo quando, em acordos governativos com vista à obtenção de uma maioria parlamentar, estão partidos que não acreditam ou rejeitam a economia de mercado", afirmou o responsável, que intervinha num almoço-debate promovido pelo International Club of Portugal, em Lisboa.

Para Faria de Oliveira, "soluções governativas que não são projetos políticos, mas acordos de conveniência não têm consistência e comportam sérios riscos para o futuro [uma vez que] adiam o futuro".

"Podem até resolver questões de curto prazo, atender à necessidade de obter resultados, mas em geral protelam a resolução de questões de fundo, raramente incluem reformas estruturais - quando não acabam mesmo por reverter algumas - e assim, não asseguram a sustentabilidade do crescimento económico", reforçou o também antigo gestor e governante.

E precisou: "Os atuais governos de Espanha e Itália e, de certo modo, de Portugal, são uma consequência da dispersão do voto dos eleitores", estando-se "perante soluções temporárias e precárias".

Na ocasião, Faria de Oliveira abordou também a saída do Reino Unido da União Europeia, afirmando que este processo é um "exemplo claro do desconforto em relação ao projeto europeu e comporta riscos que têm de ter respostas que os minimizem".

"A Europa tem de encontrar um novo impulso", vincou, defendendo a criação de uma União Financeira, "compreendendo a União Monetária, a União Bancária, ainda por completar, e a União dos Mercados de Capitais, por realizar".

O Reino Unido vai deixar a União Europeia em 29 de março de 2019, dois anos após o lançamento oficial do processo de saída, e quase três anos após o referendo de 23 de junho de 2016 que viu 52% dos britânicos votarem a favor do 'Brexit'.

Depois de, em dezembro do ano passado, ter sido aprovado um documento de entendimento sobre os termos da saída, em março foram aprovadas as linhas para um período de transição que vai prolongar-se até ao final de 2020.

Bruxelas e Londres têm até ao final deste ano para traduzirem estes acordos em textos jurídicos e assimilá-los nas respetivas legislações, ao mesmo tempo que negoceiam um futuro acordo comercial.

Ler mais

Premium

Pedro Lains

O Brasil e as fontes do mal

O populismo de direita está em ascensão, na Europa, na Ásia e nas Américas, podendo agora vencer a presidência do Brasil. Como se explica esta tendência preocupante? A resposta pode estar na procura de padrões comuns, exercício que infelizmente ganha profundidade com o crescente número de países envolvidos. A conclusão é que os pontos comuns não se encontram na aversão à globalização, à imigração ou à corrupção política, mas sim numa nova era de campanhas eleitorais que os políticos democráticos não estão a conseguir acompanhar, ao contrário de interesses políticos e económicos de tendências não democráticas. A solução não é fácil, mas tudo é mais difícil se não forem identificadas as verdadeiras fontes. É isso que devemos procurar fazer.

Premium

João Almeida Moreira

1964, 1989, 2018

A onda desmesurada que varreu o Brasil não foi apenas obra de um militar. Não foi, aliás, apenas obra dos militares. Os setores mais conservadores da Igreja, e os seus fiéis fanáticos, apoiaram. Os empresários mais radicais do mercado, que lutam para que as riquezas do país continuem restritas à oligarquia de sempre, juntaram-se. Parte do universo mediático pactuou, uns por ação, outros por omissão. Os ventos norte-americanos, como de costume, influenciaram. E, por fim, o anticomunismo primário, associado a boas doses de ignorância, embrulhou tudo.

Premium

Eslováquia

Iveta Radicová: "Senti pressões de grupos criminosos todos os dias"

Foi a primeira mulher na Eslováquia a ter a cátedra de Sociologia, a disputar uma segunda volta nas eleições presidenciais e a exercer o cargo de primeira-ministra, entre 2010 e 2012. Enquanto governante sofreu na pele ameaças, mas o que agora a inquieta é saber quem são os responsáveis pela desinformação e discurso de ódio que a todos afeta nas redes sociais.

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.