Pianista "puxa" por dotes musicais de reclusos em Viseu

Seis reclusos do Estabelecimento Prisional de Viseu viveram na terça-feira um dia diferente, em cima do palco do Teatro Viriato, acompanhados de um piano e de uma pianista que "puxou" pelos seus dotes musicais.

"Em palco, a atitude é meio caminho andado para convencer toda a gente", disse a pianista Inês Lamela aos reclusos, numa das vezes em que as suas vozes saíram tímidas das gargantas e os corpos não acompanharam o ritmo da música.

Inês Lamela é professora de piano e pianista e esteve em Viseu a convite do Teatro Viriato, na sequência da sua tese de doutoramento baseada numa experiência de oito meses com quatro reclusas do Estabelecimento Prisional Especial de Santa Cruz do Bispo.

"Sou pianista, tenho o percurso o mais tradicional que se possa imaginar e, quando entrei pela primeira vez numa prisão e participei num projeto de música, percebi que estes anos todos de investimento numa carreira artística faziam muito mais sentido quando eram postos em prática a trabalhar com as pessoas que estão numa situação muito complicada", contou aos jornalistas.

Segundo Inês Lamela, esta é uma experiência transformadora, quer para si própria, quer para os reclusos, sendo o objetivo levá-los a descobrirem algo que não sabiam ser capazes de fazer.

"Não estou à espera de ter alguém que, de repente, tem uma epifania e diz: 'Eu quero fazer música até ao resto da minha vida'", gracejou.

A pianista disse que pretende apenas ajudar os reclusos a "descobrir novas capacidades, descobrir que se consegue trabalhar em equipa", mesmo que se esteja "muito centrado em si mesmo".

Durante o trabalho em palco, a voz de Sérgio Moura destacava-se entre as dos colegas, forte e segura, deixando antever um passado de experiências musicais.

"Fui vocalista de algumas bandas pequenas na minha terra e também toquei alguns instrumentos de sopro numa banda filarmónica", contou depois aos jornalistas, acrescentando que, antes de ir para o Estabelecimento Prisional de Viseu, esteve no de Izeda e era vocalista da banda de lá.

No Estabelecimento Prisional de Viseu não há banda, mas "era bom que houvesse", até porque a música dá "outro estado de espírito", considerou.

Para José Loureiro, no passado, a música fazia parte do seu dia-a-dia, uma vez que teve bares e discotecas.

Na sua opinião, devia haver mais projetos como este, até porque, dentro da prisão, "toda a gente sente falta de um bocadinho de entretenimento".

Inês Lamela disse estar convencida de que não é preciso fazer um doutoramento para se chegar à conclusão de que a música é transformadora.

"A música pode ser altamente transformadora só pelo facto de estar sentado numa cadeira a ouvi-la. Quando se faz música, essa transformação pode ser ainda maior", frisou.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz amanhã, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.