Parlamento manifesta pesar pelas vítimas do genocídio arménio em 1915

Lisboa, 26 abr 2019 (Lusa) -- A Assembleia da República aprovou hoje um voto de pesar apresentado por PSD, PS, CDS-PP, PAN e pelo deputado não inscrito Paulo Trigo Pereira em evocação das vítimas do genocídio arménio de 1915.

O voto contou com a abstenção de quatro deputados da bancada do PSD - José Cesário, Pedro Roque, Nilza Sena e Álvaro Baptista - , merecendo o voto favorável de todas as bancadas.

Além do anúncio de várias declarações de voto, o deputado socialista Sérgio Sousa Pinto pediu a palavra para salientar que este voto não foi objeto de avaliação prévia por parte da Comissão de Negócios Estrangeiros, a que preside.

"A Assembleia da República, reunida em plenário, exprime o seu pesar pelas vítimas do genocídio arménio de 1915, preservando assim a memória como elemento essencial à reconciliação entre os Povos e à defesa dos valores fundamentais da Humanidade", refere o texto do voto, que tem como primeira subscritora a deputada do PSD Rubina Berardo.

Segundo o texto, é em 24 de abril que se assinala "internacionalmente o início dos massacres perpetrados contra a população arménia, uma vez que foi nessa data em 1915 que as autoridades otomanas prenderam e executaram 250 intelectuais e líderes comunitários arménios em Constantinopla, sob ordens do governo dos 'Jovens Turcos'".

"Nos anos durante e após a 1ª Guerra Mundial estimam-se que entre 800 mil e 1,5 milhões de pessoas foram mortas como resultado do genocídio", refere o voto, que acrescenta que "o extermínio sistemático pelas autoridades otomanas dirigido à minoria arménia no seu território é considerado pela comunidade internacional de historiadores como o primeiro genocídio do século XX".

Segundo o texto do voto, os principais organizadores do genocídio foram condenados à morte ou à prisão pelos seus crimes em tribunais militares otomanos (1919-2020), "contudo as sentenças destes tribunais nunca foram aplicadas".

"Esta evocação contém uma lição para o nosso tempo, pois perante o nível atual de nacionalismos, de xenofobias e de intolerâncias a nível mundial, é fundamental lembrar os abismos do passado. É também através da cultura da memória que a Assembleia da República reitera o seu compromisso com a defesa dos direitos humanos e que sublinha a importância de fortalecer o diálogo entre os povos, entre as religiões, entre as culturas e entre as civilizações", referem os autores do texto.

Ler mais

Exclusivos

Premium

educação

O que há de fascinante na Matemática que os fez segui-la

Para Henrique e Rafael, os números chegaram antes das letras e, por isso, decidiram que era Matemática que seguiriam na universidade, como alunos do Instituto Superior Técnico de Lisboa. No dia em que milhares de alunos realizam o exame de Matemática A, estes jovens mostram como uma área com tão fracos resultados escolares pode, afinal, ser entusiasmante.