Pacto da Justiça não pode estar fechado em si próprio - sindicato oficiais de justiça

O presidente do Sindicato dos Oficiais de Justiça (SOJ), Carlos Almeida, defendeu hoje que o Pacto da Justiça não se pode "fechar em si próprio" e que deve ser "alargado ao exterior" e a outras entidades.

Carlos Almeida, que falava no final de uma audiência com o Presidente da República, escusou-se a precisar os motivos pelos quais o SOJ não integrou o grupo de trabalho que elaborou as 89 medidas do Pacto da Justiça, mas assegurou que este sindicato está disponível para integrar a Plataforma Permanente da Justiça que irá continuar a procurar novas soluções para melhorar o setor.

O presidente do SOJ admitiu que a falta de oficiais de justiça nos tribunais e a definição rigorosa das funções desta classe profissional são problemas que preocupam o sindicato e que foram transmitidas no encontro com Marcelo Rebelo de Sousa.

Carlos Almeida sublinhou que o SOJ "acompanha muitas das medidas" que foram aprovadas pelos restantes parceiros judiciários e entregues ao Presidente da República, mas que o trabalho para melhorar a justiça e ajudar o país ainda pode receber outros contributos.

Relativamente às funções dos oficias de justiça e à necessidade de aprovação dos estatutos da classe, o dirigente sindical disse ser necessário encontrar um quadro "mais ajustado à realidade".

O pacto da justiça surgiu em resposta a um apelo lançado pelo Presidente da República na sessão solene de abertura do ano judicial de 2016.

Hoje, Marcelo Rebelo de Sousa recordou esse apelo "intencionalmente dirigido aos parceiros da justiça, não aos partidos políticos", mencionando que "dois deles tinham ensaiado um entendimento limitado há cerca de uma década", mas que o que agora pretendia "era muito mais do que esse tipo de entendimento".

Ler mais

Exclusivos

Opinião

DN+ João

Os floristas da Rua da Alegria, no Porto, receberam uma encomenda de cravos vermelhos para o dia seguinte e não havia cravos vermelhos. Pediram para que lhes enviassem alguns do Montijo, onde havia 20, de maneira a estarem no Porto no dia 18 de julho. Assim foi, chegaram no dia marcado. A pessoa que os encomendou foi buscá-los pela manhã. Ela queria-os todos soltos, para que pudessem, assim livres, passar de mão em mão. Quando foi buscar os cravos, os floristas da Rua da Alegria perguntaram-lhe algo parecido com isto: "Desculpe a pergunta, estes cravos são para o funeral do Dr. João Semedo?" A mulher anuiu. Os floristas da Rua da Alegria não aceitaram um cêntimo pelos cravos, os últimos que encontraram, e que tinham mandado vir no dia anterior do Montijo. Nem pensar. Os cravos eram para o Dr. João Semedo e eles queriam oferecê-los, não havia discussão possível. Os cravos que alguns e algumas de nós levámos na mão eram a prenda dos floristas da Rua da Alegria.

Opinião

DN+ Quem defende o mar português?

Já Pascal notava que através do "divertimento" (divertissement) os indivíduos deixam-se mergulhar no torpor da futilidade agitada, afastando-se da dura meditação sobre a nossa condição finita e mortal. Com os povos acontece o mesmo. Se a história do presente tiver alguém que a queira e possa escrever no futuro, este pobre país - expropriado de alavancas económicas fundamentais e com escassa capacidade de controlar o seu destino coletivo - transformou 2018 numa espécie de ano do "triunfo dos porcos". São incontáveis as criaturas de mérito duvidoso que através do futebol, ou dos casos de polícia envolvendo tribalismo motorizado ou corrupção de alto nível, ocupam a agenda pública, transformando-se nos sátiros da nossa incapacidade de pensar o que é essencial.

Opinião

DN+ A Cimeira da CPLP em Cabo Verde: a identidade e o poder pelo diálogo

Não é possível falar da CPLP sem falar de identidade. Seja ela geográfica e territorial, linguística, económica, cultural ou política, ao falarmos da CPLP ou de uma outra sua congénere, estaremos sempre a falar de identidade. Esta constatação parece por de mais óbvia e por de menos necessária, se não vivêssemos nos tempos em que vivemos. Estes tempos, a nível das questões da identidade coletiva, são mais perigosos do que os de antigamente? À luz do que a humanidade já viveu até agora, não temos, globalmente, o direito de afirmar que sim. Mas nunca como agora foi tão fácil influenciar o processo de construção da identidade de um grupo, de uma comunidade e, inclusivamente, de um povo.