Obras do Plano Geral de Drenagem de Lisboa poderão começar no próximo ano

A Câmara Municipal de Lisboa estimou hoje que a execução do Plano Geral de Drenagem da cidade possa ter início no próximo ano, uma vez que o concurso público para a construção dos túneis foi lançado este mês.

Falando na apresentação do orçamento para 2018, o vereador das Finanças do município, João Paulo Saraiva, anunciou que foi lançado o concurso público internacional relativo ao Plano Geral de Drenagem, no valor de 112 milhões de euros, que é "o maior concurso da história da Câmara de Lisboa".

Orçado num total de cerca de 180 milhões de euros, o Plano Geral de Drenagem prevê a construção de dois túneis entre Santa Apolónia e Monsanto e entre Chelas e o Beato, bem como um coletor entre as avenidas de Berlim e Infante D. Henrique, entre outras infraestruturas.

O orçamento municipal para o próximo ano, no valor de 833,4 milhões de euros, e que foi hoje apresentado aos jornalistas, refere que se perspetiva "a respetiva adjudicação em 2018 e o arranque da construção ainda nesse mesmo ano".

O documento, ao qual a agência Lusa teve acesso, elenca que "dentro do objetivo global de adaptar a cidade às alterações climáticas e prevenção de catástrofes, nomeadamente para minimizar o efeito de cheias, o Plano Geral de Drenagem envolve no ano de 2018 um investimento de 34,5 milhões de euros".

Segundo o vereador explicou na conferência de imprensa, a este valor acrescem 33 milhões de euros que serão destinados ao saneamento, nomeadamente "para a recuperação de 23,3 quilómetros de coletores".

No próximo ano deverá então ter início "a parte inicial das obras, de preparação".

"Vamo-nos esforçar para que munícipes deem conta do que está a ser feito", considerou João Paulo Saraiva.

O orçamento irá ser apreciado em reunião de Câmara a 14 de dezembro, necessitando de seguida do aval da Assembleia Municipal de Lisboa, e prevê ainda uma série de investimentos municipais.

Na habitação, o documento atribui 8,5 milhões de euros para o Programa de Renda Acessível, e 36,7 milhões para investimentos em habitação municipal.

Quanto à mobilidade, estima-se 33 milhões de euros para o Fundo de Mobilidade Urbana, valor que será destinado à compra de autocarros e à contratação de novos motoristas para a rodoviária Carris.

Segundo João Paulo Saraiva, "os novos autocarros deverão ser entregues até ao final do próximo ano".

Para os espaços verdes e parques urbanos serão alocados 20 milhões de euros em 2018, e 24 milhões destinar-se-ão à higiene urbana.

O programa Escola Nova irá contar com 23 milhões para a reabilitação de oito escolas da cidade.

Durante a conferência de imprensa, o autarca responsável pelas Finanças apontou que "o município já tem mais de 50% das refeições escolares confecionadas localmente".

Para o Fundo de Desenvolvimento Turístico, o documento prevê 16,3 milhões de euros, e 5,6 milhões destinam-se à nova Feira Popular.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.