Navio português apoia combate a incêndio em embarcação em São Tomé e Príncipe

São Tomé, 21 mai 2019 (Lusa) -- O navio-patrulha português "Zaire", em missão em São Tomé e Príncipe, apoiou hoje as autoridades do país no combate a um incêndio no navio "Ville Abidjan", atracado no porto de São Tomé.

Em comunicado, o Estado-Maior-General das Forças Armadas (EMGFA) refere que o princípio de incêndio ocorreu na cozinha do navio.

O navio-patrulha "Zaire" cedeu material de combate a incêndios, apoio no carregamento de aparelhos de respiração autónoma e disponibilizou pessoal para o arrefecimento através do exterior do navio, adianta o EMGFA.

"Foi ainda disponibilizado apoio técnico de combate a incêndios a bordo de navios, considerando as diferenças técnicas entre o combate a incêndios neste ambiente e em ambiente urbano", acrescenta o documento.

O navio-patrulha "Zaire" está em São Tomé e Príncipe numa missão de capacitação da Guarda Costeira do país.

O navio "Ville Abidjan" ajudou, no dia 25 de abril, a socorrer os 55 sobreviventes do naufrágio do "Amfitriti", que ocorreu perto da ilha do Príncipe.

Este navio encontrava-se atracado no porto a ser carregado com destino à Região Autónoma do Príncipe quando ocorreu o incêndio, cujas causas são desconhecidas. O organismo da Proteção Civil e Bombeiros do país fala, contudo, em "enormes prejuízos".

"A dificuldade que tivemos no combate deste incêndio é que os bombeiros precisavam de saber o foco. Conseguimos entrar no interior do navio, descobrimos o local de proveniência das chamas e conseguimos debelar a situação", disse Carlos Trovoada, da Proteção Civil e Bombeiros, que lamentou a falta de bocas de incêndio no porto das Alfândegas e outros equipamentos necessários para o combate às chamas.

O Presidente da República, Evaristo Carvalho, e o ministro da Defesa e Ordem Interna, Óscar Sousa, deslocaram-se ao porto para acompanhar o combate ao incêndio.

Exclusivos