Motoristas dos transportes urbanos de Aveiro repetem greve às primeiras horas

Os trabalhadores da ETAC/Aveiro Bus (Transdev), empresa à qual estão concessionados os transportes urbanos de Aveiro, mantêm a greve e aprovaram em plenário uma exposição que entregaram ao presidente da Câmara, disse hoje fonte sindicial.

A adesão à greve às primeiras horas de hoje está a ser semelhante à verificada dia 08 e 09, com a paralisação de 21 dos 23 motoristas, o que afetou, sobretudo os desdobramentos, segundo disse à Lusa Helder Borges, do Sindicato dos Trabalhadores de Transportes Rodoviários e Urbanos de Portugal (STRUP), que convocou a greve.

"A adesão anda na ordem dos 80%. A empresa alterou as escalas de serviço para reduzir os efeitos da greve, mas as diferentes carreiras estão a ser afetadas, principalmente os desdobramentos: onde costuma haver três autocarros, só um fez o serviço", relatou à Lusa o sindicalista.

Uma representação de trabalhadores deslocou-se pelas 08:30 à Câmara Municipal de Aveiro para entregar ao presidente um documento, aprovado em plenário, em que reclamam a redução da "amplitude diária" de trabalho e o aumento do subsídio de refeição, considerando que a concessão não está a acautelar os direitos que tinham na MoveAveiro, a empresa municipal em processo de extinção, de onde transitaram.

"A Câmara também tem alguma responsabilidade porque após a concessão o descanso entre jornadas de trabalho por vezes não é respeitado, pondo em causa a segurança dos utentes", disse.

Embora o salário corresponda a 08 horas de trabalho diário, queixam-se de que acabam por estar 12 e mais horas afetos ao serviço.

Outra pretensão dos motoristas é o aumento do subsídio de refeição, atualmente de 2,50 euros, para um valor semelhante ao que é pago em "refeição deslocada", que é de 6,90 euros, dado que têm de permanecer 12 horas ao dispor da empresa.

O STRUP entregou um pré-prévio de greve, para o período compreendido entre as 06:00 e as 09:00, que vai repetir dias nos dias 25 e 26, se a administração não corresponder às suas reivindicações.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.