Moçambique quer eliminar subsídio para combustíveis de transportes

O Governo moçambicano pretende eliminar o subsídio aos combustíveis para transportes ligeiros de passageiros, designados semicoletivos, anunciou hoje o diretor nacional de Hidrocarbonetos e Combustíveis, Moisés Paulino.

"Vamos eliminar esse subsídio gradualmente à medida que as associações [de transportadores] forem crescendo em termos da sua sustentabilidade", referiu num encontro sobre o modelo de fixação de preços de combustíveis, citado pela Agência de Informação de Moçambique (AIM).

"Posso garantir que, enquanto se organiza [o processo], o Governo continua a subsidiar os semicoletivos", designação dada às viaturas ligeiras de múltiplos lugares, usadas como meio de transporte por todo o país.

Também apelidadas de 'chapas', estas viaturas circulam, em regra, sobrelotadas, em percursos de algumas dezenas de quilómetros entre grandes bairros ou povoações.

O Governo de Moçambique acabou em março de 2017 com o subsídio generalizado ao preço dos combustíveis, mantendo, no entanto, um desconto em metade do valor de tabela para os transportadores dos semicoletivos.

O executivo pretende eliminar a compensação, gradualmente, para passar a apoiar a aquisição e entrega de autocarros a associações de transportadores, referiu Moisés Paulino.

Sem apontar prazos, aquele responsável referiu que a mudança é urgente, dado que o Governo tem uma dívida avultada junto das gasolineiras, a rondar os 62 milhões de euros.

Noutros setores considerados sensíveis, tais como a pesca artesanal, agricultura e produção de energia em sistemas isolados, vão continuar a beneficiar de subsídio à aquisição de combustível, acrescentou.

Na última revisão da tabela de preços, em março, a gasolina fixou-se em 65,05 meticais por litro (87 cêntimos de euro) e o gasóleo em 61,16 meticais por litro (81 cêntimos de euros).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?