Médicos guineenses de Portugal na Guiné-Bissau a ajudar na saúde

A organização não-governamental Saúde Sabe Tene nasceu em janeiro, mas já vai na sua segunda missão à Guiné-Bissau, país onde no setor da saúde tudo está por fazer e tudo é urgente ser feito.

Constituída por médicos e enfermeiros maioritariamente originários dos Países Africanos de Língua Oficial Portuguesa, a trabalharem em Portugal, a organização não-governamental chegou a Bissau há cerca de uma semana para ajudar.

"Esta nossa missão é muito mais abrangente, multidisciplinar. É uma equipa com 14 médicos de várias especialidades e nós temos na nossa estrutura todas as especialidades médicas", afirmou o médico urologista Fortunato Barros, filho da terra, mas a viver em Portugal há mais de 30 anos.

Os 14 médicos, maioritariamente guineenses, estiveram espalhados durante toda a semana pelos hospitais de Cumura, Bor, Simão Mendes e nos centros dentários de Quélélé e Quinhamel. Ao todo realizaram centenas de consultas e dezenas de cirurgias.

A missão permitiu também dar cursos de suporte básico de vida a médicos, enfermeiros e estudantes de medicina guineenses.

Nas declarações aos jornalistas, Fortunato Barros pediu ajuda para a organização não-governamental.

"Juntem-se a nós. Isto é um sonho que vem de trás e é tentar trazer os profissionais da terra", afirmou.

É que os "filhos da terra" falam crioulo, conhecem a realidade e adaptam-se facilmente às condições locais, sem falar na alegria dos doentes quando descobrem que os médicos falam a sua língua.

"Com o nosso conhecimento conseguimos resolver situações muito complicadas localmente", salientou.

A Saúde Sabe Tene, que termina sexta-feira a sua missão, chegou à Guiné-Bissau com a ajuda de empresários e de farmacêuticas e com mais de mil quilogramas de material hospitalar, que distribuiu pelos vários estabelecimentos hospitalares onde os médicos estiveram a realizar consultas.

Exclusivos

Premium

Betinho

Betinho: "NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus à seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.