Medicina interna sob constante pressão das administrações hospitalares - Sociedade

A Sociedade de Medicina Interna afirma que os internistas estão sob uma pressão constante das administrações hospitalares e que tudo fazem para que os "impactos da económica no setor da saúde" não recaiam nos doentes.

"A visibilidade mediática das urgências e a incapacidade de os hospitais adaptarem o seu modelo organizacional à evolução demográfica dos doentes colocam os internistas (...) debaixo de uma pressão repetida das administrações", afirma a Sociedade de Medicina Interna, num comunicado hoje divulgado.

Na nota, a Sociedade manifesta publicamente a sua solidariedade com os diretores dos três serviços de Medicina do hospital de Faro, que colocaram o seu lugar à disposição.

Na terça-feira, o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) denunciou o pedido de demissão de três diretores de serviço que alegam falta de resposta para a sobrelotação de doentes e pressões para atribuírem altas precoces, face ao aumento da procura e as consequentes dificuldades no internamento.

Segundo a Sociedade Portuguesa de Medicina Interna, os internistas fazem muito trabalho para lá dos seus horários, com muitas noites passadas no hospital e "sem qualquer tipo de incentivo por produção adicional".

"Os colegas de hospital de Faro fazem parte desta gesta de internistas que tudo tem feito para que as consequências da crise económica, que ainda não terminaram no setor da saúde, não recaiam sobre os doentes", acrescenta a sociedade científica que representam os especialistas em Medicina Interna.

De acordo com a Sociedade, os serviços de Medicina do hospital de Faro têm atualmente uma taxa de ocupação de 150%, com cerca de 20% do total de doentes a permanecer internado apenas por motivos sociais ou a aguardar uma vaga na rede de cuidados continuados.

"Os números de Faro são semelhantes aos da grande maioria dos serviços de Medicina dos hospitais do SNS", acrescenta a nota.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?

Premium

Margarida Balseiro Lopes

O voluntariado

A voracidade das transformações que as sociedades têm sofrido nos últimos anos exigiu ao legislador que as fosse acompanhando por via de várias alterações profundas à respetiva legislação. Mas há áreas e matérias em que o legislador não o fez e o respetivo enquadramento legal está manifestamente desfasado da realidade atual. Uma dessas áreas é a do voluntariado. A lei publicada em 1998 é a mesma ao longo destes 20 anos, estando assim obsoleta perante a realidade atual.