Mais de 60 chefes de Estado e governo no centenário da 1ª Guerra Mundial em Paris

Mais de 60 chefes de Estado e de governo, incluindo o norte-americano, Donald Trump, e o russo, Vladimir Putin, assistirão a 11 de novembro em Paris à comemoração do Centenário do fim da Primeira Guerra Mundial, anunciou hoje o Eliseu.

O presidente francês, Emmanuel Macron, realiza antes, entre 4 e 9 de novembro, uma viagem aos principais locais do conflito em França.

No dia 10, Macron e a chanceler alemã, Angela Merkel, participam numa cerimónia com grande simbolismo na clareira onde o armistício foi assinado.

Estas comemorações são "ocasião para lembrar que a França continua a ocupar um lugar particular no concerto das nações", indicou a presidência francesa.

Macron vai discursar no dia 11 sob o Arco do Triunfo em Paris, na presença de pelo menos 60 chefes de Estado e de governo.

Estes são depois convidados para um Fórum da Paz, simbolicamente aberto por Merkel, que pretende tornar-se uma reunião anual em Paris para promover um "multilateralismo reconstituído, reformado".

Na véspera, o presidente francês e a chanceler alemã realizam um encontro inédito a este nível de representação entre os antigos adversários na clareira perto de Compiègne (Oise, norte), onde o armistício foi assinado.

"Estaremos nas pegadas de Helmut Kohl e François Mitterrand em 1984 em Verdun", cuja imagem de mãos dadas frente a um caixão se tornou um dos símbolos mais fortes da reconciliação franco-alemã, sublinha o Eliseu.

O armistício, assinado a 11 de novembro de 1918 entre as forças aliadas e a Alemanha num vagão na floresta de Compiègne em Rethondes, marca o fim da Grande Guerra.

O presidente alemão, Frank-Walter Steinmeier, assistirá ainda a 4 de novembro em Estrasburgo (leste de França) a um grande concerto a propósito da amizade franco-alemã no quadro das comemorações sobre o regresso da Alsácia à França em 1918.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

"Petróleo, não!" Nesta semana já estivemos perto

1. Uma coisa é termos uma vaga ideia de quão estupidamente dependemos dos combustíveis fósseis. Outra, vivê-la em concreto. Obrigado aos grevistas. A memória perdida sobre o "petróleo" voltou. Ficou a nu que temos de fugir dos senhores feudais do Médio Oriente, das oligopolísticas, campanhas energéticas com preços afinados ao milésimo de euro e, finalmente, deste tipo de sindicatos e associações patronais com um poder absolutamente desproporcionado.