Mais de 50 juntas assinam acordo com Governo para projetos recicláveis

Cinquenta e cinco juntas de freguesia assinaram hoje um protocolo com o Governo para beneficiar de um investimento total de um milhão de euros que lhes permite desenvolver projetos que valorizem o reaproveitamento de materiais.

Os contratos de financiamento foram assinados esta tarde, em Lisboa, numa cerimónia presidida pelo ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, e relacionam-se com apoios do Fundo Ambiental ao projeto "JUNTar: Economia Circular em freguesias".

Neste primeiro ano, o Fundo Ambiental recebeu 110 candidaturas, mas apenas 55 foram admitidas, representando um investimento total de cerca de um milhão de euros, sendo que o valor máximo elegível por cada candidatura era de 25 mil euros.

Em declarações à agência Lusa, o ministro do Ambiente, João Pedro Matos Fernandes, manifestou-se "bastante satisfeito" com o interesse demonstrado pelas freguesias e pela "qualidade das propostas".

"Nós estávamos otimistas, mas o sucesso foi muito maior do que aquele que estávamos à espera. Tivemos 95 candidaturas muito boas, mas só foi possível aprovar 55 projetos", apontou o governante.

Estes projetos, que têm as juntas de freguesia como principais atores, são, no entender de João Pedro Matos Fernandes, "cruciais" para o desenvolvimento de uma economia circular, onde os bens são reaproveitados.

"O objetivo é promover uma regeneração de recursos. Só 9% dos recursos que vamos buscar à terra e transformámos é que tem mais de um uso, o que é insuportável a prazo. Nós temos que fazer mesmo que os bens durem mais tempo. Que possam ser reparados e acabar com os desperdícios", apontou.

Um dos projetos destacados pelo governante é o da junta de freguesia de Benfica, em Lisboa, que tem como objetivo combater os desperdícios de bens da primeira infância.

O projeto consiste na recolha de bens necessários desde o nascimento dos bebés até aos 36 meses de vida e na redistribuição para famílias, futuras utilizadoras.

Outro dos projetos é o da junta de freguesia de Matosinhos e Leça da Palmeira, no Porto, que consiste na criação de duas unidades de compostagem e de um mercado de troca por troca, no qual será promovida a troca de composto por livros usados, que irão para as bibliotecas das escolas.

O ministro do Ambiente perspetivou que, no próximo ano, o financiamento para este tipo de projetos possa ser superior.

Ler mais

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.