Jovem escritora de Gaia vence Prémio Literário Nortear

O Prémio Literário Nortear, que visa reforçar o diálogo cultural entre Portugal e Galiza, foi atribuído a Sara Brandão, escritora de Vila Nova de Gaia pela obra "Ver", informou hoje a Direção Regional de Cultura do Norte.

O galardão tem como objetivos "distinguir anualmente obras literárias originais, incentivar a produção literária entre a juventude galega e portuguesa, e favorecer a circulação e distribuição de obras literárias entre a Galiza e Portugal, para reforçar o diálogo cultural entre os dois territórios", descreve a organização.

Este ano, na quarta edição do Prémio Literário Nortear para Jovens Escritores, a premiada foi Sara Brandão, com a obra "Ver", que verá o trabalho literário publicado e receberá 2.000 euros.

A jovem escritora de 20 anos - natural de Vila Nova de Gaia, distrito do Porto, a frequentar o quarto ano da Licenciatura em Design de Comunicação, na Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto - venceu o galardão ao qual concorreram mais de três dezenas de candidatos, com idades entre 16 e os 36 anos.

De acordo com comunicado da Direção Regional de Cultura do Norte, o júri, presidido pela diretora do Instituto Camões, Carla Sofia Amado, premiou a "escrita perfeita, a estrutura bem arquitetada, com uma base sólida, mantendo uma irrepreensível coerência textual" de Sara Brandão que, por sua vez, refere ter participado "pelo prazer da escrita".

O Prémio Literário Nortear para Jovens Escritores é promovido pela Consellería de Cultura da Xunta de Galicia, pela Direção Regional de Cultura do Norte e pelo Agrupamento Europeu de Cooperação Territorial Galicia - Norte de Portugal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Monsanto

"Nunca pensei desistir." O jardineiro que derrubou a Monsanto

Não é um homem rico, como muitos pensam, porque ainda não recebeu a indemnização da Monsanto. Nem sabe se viverá o suficiente para assistir ao acórdão final do processo que travou contra a gigante agroquímica, dona da marca RoundUp. Ainda assim, sabe que já fez história. Na luta contra um cancro (linfoma não Hodgkin), diz que tem dores, altos e baixos, mas promete não desistir. Se houvesse cura, Dewayne Lee Johnson gostaria de criar uma fundação e dedicar-se mais à música e à arte.