Incêndios: Secretário de Estado admite início da época crítica em junho

O secretário de Estado da Proteção Civil admitiu hoje que a época crítica de incêndios florestais passe a começar em junho, mas assegurou que o dispositivo de combate estará preparado para atuar durante períodos mais alargados.

"O facto de termos exigido, por exemplo, a limpeza das matas até ao final de maio pressupõe essa lógica mais natural, que é assumir que o período de incêndios mais crítico, na verdade e naturalmente, poderá ocorrer a partir de junho. Mas não significa que não tenhamos de estar preparados para, em abril ou maio, termos de atuar perante incêndios, porque cada vez ocorrem com mais frequência nesses períodos, bem como após o final de setembro", disse à agência Lusa José Artur Neves.

O secretário de Estado, que participou na abertura da conferência "Que organização de proteção civil para a próxima década?", organizada pelo Instituto Superior de Educação e Ciências, adiantou que Portugal tem que "estar preparado com estruturas com suficiente flexibilidade para poder atuar em períodos mais alargados".

Nesse sentido, referiu que as fases de incêndio "já não fazem muito sentido em algumas circunstâncias", estando a ser estruturadas "todas as equipas para se ter uma visão alargada dos períodos".

Até 2017, a época crítica em incêndios florestais, denominada Charlie, começava a 01 de julho e terminava a 30 de setembro, estando o ano dividido em cinco fases de combate.

"As fases dos incêndios já não têm balizas propriamente definidas. Por isso, temos que estar preparados para qualquer circunstância acionar os meios e atuar no momento exigido", sustentou.

Questionado sobre a diretiva operacional nacional que estabelece o Dispositivo Especial de Combate a Incêndios Florestais (DECIF) para 2018, o governante afirmou que estão a ser feitos ajustamentos e, até março, deverá estar "tudo devidamente consolidado".

Também até março vai estar concluída a Lei Orgânica da Autoridade Nacional de Proteção Civil (ANPC), avançado o secretário de Estado que se está a trabalhar nesse sentido.

Segundo José Artur Neves, a nova Lei Orgânica da ANPC vai definir um estatuto de carreiras para que os lugares "sejam ocupados por concursos públicos" e para que exista "uma perspetiva de carreira devidamente consolidada ao longo dos anos de atividade".

Questionado sobre se os concursos públicos vão abranger os comandantes distritais de operação e socorro, o governante afirmou que vão integrar "todos os patamares da atividade da ANPC".

Na sua intervenção durante a conferência, o secretário de Estado da Proteção Civil destacou a importância do alargamento a todo o país das Equipas de Intervenção Permanente (EIP), constituídas por cinco elementos em permanência nos quartéis de bombeiros qualquer situação de urgência e emergência registada no concelho.

José Artur Neves avançou à Lusa que o objetivo do Governo é criar 40 EIP este ano e, até 2020, garantir a existência de uma Equipa de Intervenção Permanente em cada concelho.

"Portugal tem quase 200 EIP nas diversas corporações de bombeiros do país e a intenção é que todos os concelhos do país tenham, pelo menos, uma Equipa de Intervenção Permanente. Este ano pretendemos atribuir 40 equipas e até 2020 pretendemos garantir uma EIP por cada concelho para que o socorro e a proteção se exerçam de modo rápido e imediato e que não estejam dependentes do voluntariado", realçou.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.