Incêndios: Arganil destaca necessidade de se debater ordenamento florestal

A Câmara de Arganil considera que várias das conclusões do relatório da comissão técnica independente sobre os incêndios de outubro de 2017 vão ao encontro da posição do município, que destaca a necessidade de se falar de ordenamento.

"Há conclusões que são muito evidentes e que vão ao encontro daquilo que já tínhamos dito", disse à agência Lusa o presidente deste município do distrito de Coimbra, Luís Paulo Costa, apontando para as críticas em torno do número de reacendimentos e para a ausência de reforço de meios para a altura em que ocorreram os grandes incêndios de 15 e 16 de outubro de 2017.

Para além disso, o autarca sublinha a necessidade de se garantir a limpeza "nas faixas de proteção às habitações e aglomerados", bem como a necessidade de as "entidades públicas assumirem uma função de pedagogia" junto das populações - questão "não tão evidente no relatório".

Tal como o relatório defende um ordenamento florestal no país como forma de contrariar a existência de "manchas contínuas" de combustível, Luís Paulo Costa aponta para essa questão como essencial para garantir uma maior resiliência dos concelhos.

"Sinto-me uma espécie de padre António Vieira a pregar aos peixinhos, mas se não se mexer na dimensão da propriedade e no ordenamento florestal não vamos conseguir ultrapassar a contingência que temos agora", frisou.

Para o presidente da Câmara de Arganil - um concelho em que a maioria das propriedades não chega a ter um hectare -, "vai ter que ser o Estado a reordenar e a dar escala à propriedade", por forma a garantir uma gestão dos terrenos e a limpeza das matas.

Segundo Luís Paulo Costa, é preciso "uma gestão profissional, que seja feita em grandes áreas e que permita, em simultâneo, a exploração de espécies de crescimento rápido, como o eucalipto e o pinheiro, mas que tenha áreas de carvalho e castanheiro e zonas para a pastorícia e aceiros".

Sobre as observações da comissão sobre as câmaras, em que refere que há escassez de recursos financeiros para a proteção civil municipal e incompreensão dos autarcas quanto ao exercício das suas responsabilidades neste domínio, Luís Paulo Costa concorda, mas deixa várias notas.

"Nas regiões de baixa densidade, o que temos são municípios que têm fracas fontes de receitas próprias. Se o Estado quiser os municípios a assumir determinadas responsabilidades, tem que os dotar com mais meios", defendeu.

Os incêndios de outubro de 2017 provocaram 49 mortos e destruíram milhares de casas e empresas, além de uma vasta área florestal.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.