Historiadora de Arte Emília Ferreira nomeada para diretora do Museu do Chiado

A historiadora de arte Emília Ferreira vai assumir a direção do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC)/ Museu do Chiado, a partir de sexta-feira, substituindo no cargo Aida Rechena, que rescindiu a seu pedido, anunciou hoje fonte oficial.

De acordo com um comunicado da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), a museóloga Aida Rechena, que iniciou funções na direção do Museu do Chiado em janeiro de 2016, passará a integrar os serviços centrais da DGPC.

A nomeação de Emília Ferreira ocorre em regime de substituição, até à abertura do respetivo concurso público, adianta o comunicado.

Licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Emília Ferreira é mestre e doutora em História da Arte Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/UNL), onde é investigadora no Instituo de História da Arte.

Curadora de exposições de artes plásticas, educadora e também escritora de ficção, colabora com o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian desde 1997, e foi membro da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, em Almada, de 2000 a 2017.

O seu percurso contempla ainda a organização e participação em conferências, em Portugal e no estrangeiro, bem com a publicação de textos críticos e entrevistas sobre arte e artistas. Destaca-se igualmente na divulgação de temas culturais para o grande público, de que é exemplo o trabalho Guias de Museus, realizado para o Diário de Notícias (2017).

A museóloga Aida Rechena, que iniciou funções na direção do MNAC em janeiro de 2016, passará a integrar os serviços centrais da DGPC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Daniel Deusdado

Estou a torcer por Rio apesar do teimoso Rui

Meu Deus, eu, de esquerda, e só me faltava esta: sofrer pelo PSD... É um problema que se agrava. Antigamente confrontava-me com a fria ministra das Finanças, Manuela Ferreira Leite, e agora vejo a clarividente e humana comentadora Manuela Ferreira Leite... Pacheco Pereira, um herói na cruzada anti-Sócrates, a voz mais clarividente sobre a tragédia da troika passista... tornou-se uma bússola! Quanto não desejei que Rangel tivesse ganho a Passos naquele congresso trágico para o país?!... Pudesse eu escolher para líder a seguir a Rio, apostava tudo em Moreira da Silva ou José Eduardo Martins... O PSD tomou conta dos meus pesadelos! Precisarei de ajuda...?