Historiadora de Arte Emília Ferreira nomeada para diretora do Museu do Chiado

A historiadora de arte Emília Ferreira vai assumir a direção do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC)/ Museu do Chiado, a partir de sexta-feira, substituindo no cargo Aida Rechena, que rescindiu a seu pedido, anunciou hoje fonte oficial.

De acordo com um comunicado da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), a museóloga Aida Rechena, que iniciou funções na direção do Museu do Chiado em janeiro de 2016, passará a integrar os serviços centrais da DGPC.

A nomeação de Emília Ferreira ocorre em regime de substituição, até à abertura do respetivo concurso público, adianta o comunicado.

Licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Emília Ferreira é mestre e doutora em História da Arte Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/UNL), onde é investigadora no Instituo de História da Arte.

Curadora de exposições de artes plásticas, educadora e também escritora de ficção, colabora com o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian desde 1997, e foi membro da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, em Almada, de 2000 a 2017.

O seu percurso contempla ainda a organização e participação em conferências, em Portugal e no estrangeiro, bem com a publicação de textos críticos e entrevistas sobre arte e artistas. Destaca-se igualmente na divulgação de temas culturais para o grande público, de que é exemplo o trabalho Guias de Museus, realizado para o Diário de Notícias (2017).

A museóloga Aida Rechena, que iniciou funções na direção do MNAC em janeiro de 2016, passará a integrar os serviços centrais da DGPC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Nuno Artur Silva

Notícias da frente da guerra

Passaram cem anos do fim da Primeira Guerra Mundial. Foi a data do Armistício assinado entre os Aliados e o Império Alemão e do cessar-fogo na Frente Ocidental. As hostilidades continuaram ainda em outras regiões. Duas décadas depois, começava a Segunda Guerra Mundial, "um conflito militar global (...) Marcado por um número significativo de ataques contra civis, incluindo o Holocausto e a única vez em que armas nucleares foram utilizadas em combate, foi o conflito mais letal da história da humanidade, resultando entre 50 e mais de 70 milhões de mortes" (Wikipédia).

Premium

nuno camarneiro

Uma aldeia no centro da cidade

Os vizinhos conhecem-se pelos nomes, cultivam hortas e jardins comunitários, trocam móveis a que já não dão uso, organizam almoços, jogos de futebol e até magustos, como aconteceu no sábado passado. Não estou a descrever uma aldeia do Minho ou da Beira Baixa, tampouco uma comunidade hippie perdida na serra da Lousã, tudo isto acontece em plena Lisboa, numa rua com escadinhas que pertence ao Bairro dos Anjos.