Historiadora de Arte Emília Ferreira nomeada para diretora do Museu do Chiado

A historiadora de arte Emília Ferreira vai assumir a direção do Museu Nacional de Arte Contemporânea (MNAC)/ Museu do Chiado, a partir de sexta-feira, substituindo no cargo Aida Rechena, que rescindiu a seu pedido, anunciou hoje fonte oficial.

De acordo com um comunicado da Direção-Geral do Património Cultural (DGPC), a museóloga Aida Rechena, que iniciou funções na direção do Museu do Chiado em janeiro de 2016, passará a integrar os serviços centrais da DGPC.

A nomeação de Emília Ferreira ocorre em regime de substituição, até à abertura do respetivo concurso público, adianta o comunicado.

Licenciada em Filosofia pela Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa, Emília Ferreira é mestre e doutora em História da Arte Contemporânea pela Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa (FCSH/UNL), onde é investigadora no Instituo de História da Arte.

Curadora de exposições de artes plásticas, educadora e também escritora de ficção, colabora com o Centro de Arte Moderna da Fundação Calouste Gulbenkian desde 1997, e foi membro da Casa da Cerca – Centro de Arte Contemporânea, em Almada, de 2000 a 2017.

O seu percurso contempla ainda a organização e participação em conferências, em Portugal e no estrangeiro, bem com a publicação de textos críticos e entrevistas sobre arte e artistas. Destaca-se igualmente na divulgação de temas culturais para o grande público, de que é exemplo o trabalho Guias de Museus, realizado para o Diário de Notícias (2017).

A museóloga Aida Rechena, que iniciou funções na direção do MNAC em janeiro de 2016, passará a integrar os serviços centrais da DGPC.

Ler mais

Exclusivos

Premium

João Almeida Moreira

Bolsonaro, curiosidade ou fúria

Perante um fenómeno que nos pareça ultrajante podemos ter uma de duas atitudes: ficar furiosos ou curiosos. Como a fúria é o menos produtivo dos sentimentos, optemos por experimentar curiosidade pela ascensão de Jair Bolsonaro, o candidato de extrema-direita do PSL em quem um em cada três eleitores brasileiros vota, segundo sondagem de segunda-feira do banco BTG Pactual e do Instituto FSB, apesar do seu passado (e presente) machista, xenófobo e homofóbico.

Premium

Rosália Amorim

"Sem emoção não há uma boa relação"

A frase calorosa é do primeiro-ministro António Costa, na visita oficial a Angola. Foi recebido com pompa e circunstância, por oito ministros e pelo governador do banco central e com honras de parada militar. Em África a simbologia desta grande receção foi marcante e é verdadeiramente importante. Angola demonstrou, para dentro e para fora, que Portugal continua a ser um parceiro importante. Ontem, o encontro previsto com João Lourenço foi igualmente simbólico e relevante para o futuro desta aliança estratégica.