Greve/Médicos: BE e PCP solidários com médicos em protesto

O Bloco de Esquerda e o Partido Comunista Português solidarizaram-se com a luta dos médicos na "defesa do Serviço Nacional de Saúde", marcando presença na concentração de hoje junto ao Ministério da Saúde, em Lisboa.

O deputado do Bloco de Esquerda, Moisés Ferreira, apontou a incapacidade de atuação do ministro da Saúde, Adalberto Campos Fernandes, que acusou de "não querer fazer nada".

"Não basta ter o ministro da Saúde a dizer que os profissionais têm razão e depois não faz nada para ir ao encontro das reivindicações dos profissionais. A decisão política depende dele próprio e do Governo do qual faz parte. Se realmente acha que os profissionais têm razão, tem que a dar na prática, o problema é que não está a querer fazê-lo", afirmou Moisés Ferreira.

A deputada do Partido Comunista Português, Paula Santos, lembrou que os problemas no Serviço Nacional de Saúde (SNS) "vêm de há vários Governos" e que é necessário "investir nos meios e materiais técnicos e na valorização dos profissionais".

"Tem havido um ataque sistematizado ao SNS pelas políticas que têm sido adotadas e vão no sentido do desinvestimento e desvalorização. É necessário investir no reforço das condições ao nível dos cuidados de saúde primários e dos cuidados hospitalares, investir nos meios e materiais técnicos para que a resposta do SNS seja de qualidade e qualificada", disse.

O secretário-geral da CGTP, Arménio Carlos, discursou durante a concentração dos médicos e apelou para o "bom senso" da tutela da saúde.

"É necessário o Ministério da Saúde ter o bom senso, juntamente com o Governo, para encontrar resposta para os problemas que já foram apresentados há dois anos e continuam sem qualquer solução", defendeu.

Os médicos iniciaram hoje às 00:00 três dias de greve nacional.

A reivindicação essencial é "a defesa do Serviço Nacional de Saúde" e o respeito pela dignidade da profissão médica, segundo os dois sindicatos que convocaram a paralisação -- o Sindicato Independente dos Médicos (SIM) e a Federação Nacional dos Médicos (FNAM).

Em termos mais concretos, os sindicatos querem uma redução do trabalho suplementar de 200 para 150 horas anuais, uma redução progressiva até 12 horas semanais de trabalho em urgência e uma diminuição gradual das listas de utentes dos médicos de família até 1.500 utentes, quando atualmente são de cerca de 1.900 doentes.

Entre os motivos da greve estão ainda a revisão das carreiras médicas e respetivas grelhas salariais, o descongelamento da progressão da carreira médica e a criação de um estatuto profissional de desgaste rápido e de risco e penosidade acrescidos, com a diminuição da idade da reforma.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

nuno camarneiro

Males por bem

Em 2012 uma tempestade atingiu Portugal, eu, que morava na praia da Barra, fiquei sem luz nem água e durante dois dias acompanhei o senhor Clemente (reformado, anjo-da-guarda e dançarino de salão) fixando telhados com sacos de areia, trancando janelas de apartamentos de férias e prendendo os contentores para que não abalroassem automóveis na via pública. Há dois anos, o prédio onde moro sofreu um entupimento do sistema de saneamento e pude assistir ao inferno sético que lentamente me invadiu o pátio e os pesadelos. Os moradores vieram em meu socorro e em pouco tempo (e muito dinheiro) lá conseguimos que um piquete de canalizadores nos exorcizasse de todo mal.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.