Fundo asiático de 50 mil milhões de dólares quer financiar projetos em Angola

Investidores angolanos e estrangeiros vão poder aceder a um fundo de 50 mil milhões de dólares (42,6 mil milhões de euros), da Centennial Energy Thailand, um grupo internacional de investimento e desenvolvimento de projetos comerciais e humanitários.

Para o efeito, foi assinado hoje, em Luanda, um memorando entre a Unidade Técnica para o Investimento Privado (UTIP) de Angola, organismo de apoio ao Presidente da República na preparação, condução e negociação de projetos de investimento privado, e a Centennial Energy Thailand.

O documento foi rubricado pelo diretor da UTIP, Norberto Garcia, e o presidente do conselho de administração da Centennial Energy Thailand, Raveeroj Rithchoteanan.

Em declarações à imprensa, Norberto Garcia disse que o fundo está à disposição dos investidores nacionais e externos, e vai permitir concretizar os projetos em Angola, essencialmente nos setores produtivos, nomeadamente agroindústria, turismo, hotelaria, pescas e energia.

"A existência desse fundo vai trazer dinheiro para o mercado, vai financiar o mercado, que vai poder autodesenvolver-se. Este fundo faz todo o sentido, porque o parceiro quer é uma parceria, uma 'joint-venture', por esta via. Não estamos a falar de taxas de juros, de retornos de forma alguma complicados, com o processo de gestão do investidor, porque é em função dos rendimentos que a parceria vai proporcionar, que o retorno será feito", disse.

Acrescentou que o fundo vem igualmente para facilitar a implementação de 688 projetos neste momento parados por falta de financiamento.

O dirigente angolano realçou que este fundo já esteve no Camboja e Vietname, países asiáticos que se desenvolveram com recurso ao mesmo: "O que quer dizer que Angola tem que aproveitar este fundo, esta oportunidade".

"Temos aqui condições essenciais para fazer acontecer os projetos e fazer com que os projetos que até agora não têm financiamento, porque há alguma dificuldade na nossa banca para o efeito, é nossa missão, que temos contacto com o exterior, fazer acontecer isso, para ter os financiamentos, os fundos, para que possamos ter formas de implementar o projeto no nosso país", disse.

Por sua vez, o presidente do conselho de administração da Centennial Energy Thailand apelou aos investidores angolanos para que apresentem os seus projetos, salientando que o objetivo é que esses valores sejam investidos em áreas prioritárias de Angola e em todo o país.

"Esses valores serão investidos em todo o território angolano de forma igual. O objetivo inicial era investir nas infraestruturas, mas atendendo às necessidades que o país atravessa, as prioridades vão para a habitação, alimentação, escolas e hospitais", frisou.

"Estamos abertos, independentemente das necessidades que tiverem, o Governo ou os parceiros é que têm que delinear as prioridades", salientou.

A apresentação do fundo foi hoje feita durante um encontro técnico empresarial para financiamento de projetos de investimento privado, que reuniu empresários nacionais e responsáveis de bancos nacionais.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Rosália Amorim

OE 2019 e "o último orçamento que acabei de apresentar"

"Menos défice, mais poupança, menos dívida", foi assim que Mário Centeno, ministro das Finanças, anunciou o Orçamento do Estado para 2019. Em jeito de slogan, destacou os temas que mais votos poderão dar ao governo nas eleições legislativas, que vão decorrer no próximo ano. Não é todos os anos que uma conferência de imprensa no Ministério das Finanças, por ocasião do orçamento da nação, começa logo pelos temas do emprego ou dos incentivos ao regresso dos emigrantes. São assuntos que mexem com as vidas das famílias e são temas em que o executivo tem cartas para deitar na mesa.

Premium

João Gobern

Há pessoas estranhas. E depois há David Lynch

Ganha-se balanço para o livro - Espaço para Sonhar, coassinado por David Lynch e Kristine McKenna, ed. Elsinore - em nome das melhores recordações, como Blue Velvet (Veludo Azul) ou Mulholland Drive, como essa singular série de TV, com princípio e sempre sem fim, que é Twin Peaks. Ou até em função de "objetos" estranhos e ainda à procura de descodificação definitiva, como Eraserhead ou Inland Empire, manifestos da peculiaridade do cineasta e criador biografado. Um dos primeiros elogios que ganha corpo é de que este longo percurso, dividido entre o relato clássico construído sobretudo a partir de entrevistas a terceiros próximos e envolvidos, por um lado, e as memórias do próprio David Lynch, por outro, nunca se torna pesado, fastidioso ou redundante - algo que merece ser sublinhado se pensarmos que se trata de um volume de 700 páginas, que acompanha o "visado" desde a infância até aos dias de hoje.