França propõe que Conselho de Segurança da ONU tenha mais membros permanentes

França afastou hoje implicitamente a cedência à União Europeia do seu assento no Conselho de Segurança da ONU, como defendeu a Alemanha, propondo em alternativa que seja alargado o número de membros permanentes naquele órgão.

"França é favorável ao alargamento do Conselho de Segurança [...] para permitir a entrada como membros permanentes da Alemanha, mas também Japão, Brasil, Índia e dois países africanos", disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros francês, Agnès von der Mühll.

Na quarta-feira, o vice-chanceler e ministro das Finanças alemão, Olaf Scholz, defendeu que o assento permanente de França no Conselho de Segurança da ONU deve passar a ser europeu, para que a UE "fale a uma só voz".

A porta-voz da diplomacia francesa acrescentou que França está preparada para "coordenar" as suas posições com a Alemanha, "no espírito da parceria franco-alemã", e que "tem em conta todas as posições europeias na expressão das suas posições nacionais", participando "ativamente na coordenação da posição da União".

França é, com o Reino Unido, os Estados Unidos, a Rússia e a China, um dos cinco membros permanentes do Conselho de Segurança, os que têm direito de veto.

Depois do 'Brexit', a França será o único país da UE com um assento permanente.

Além dos cinco membros permanentes, o Conselho é constituído por dez membros não-permanentes, escolhidos por um período de dois anos. A Alemanha será membro não-permanente a partir de janeiro de 2019.

Olaf Scholz propôs que, como contrapartida à cedência do assento permanente pela França, o lugar de chefe da representação da UE junto da ONU poderia passar a ser ocupado de forma permanente por um francês.

O vice-chanceler alemão admitiu contudo que não será fácil pôr a ideia em prática: "Estou bem consciente de que há um trabalho de persuasão a fazer em Paris", disse.

Pouco depois destas declarações, o embaixador de França nos Estados Unidos, Gérard Araud, que foi anteriormente representante de França junto da ONU, escreveu na rede social Twitter que uma tal cedência "é juridicamente impossível porque contraria a Carta das Nações Unidas".

Exclusivos

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Uma opinião sustentável

De um ponto de vista global e a nível histórico, poucos conceitos têm sido tão úteis e operativos como o do desenvolvimento sustentável. Trouxe-nos a noção do sistémico, no sentido em que cimentou a ideia de que as ações, individuais ou em grupo, têm reflexo no conjunto de todos. Semeou também a consciência do "sustentável" como algo capaz de suprir as necessidades do presente sem comprometer o futuro do planeta. Na sequência, surgiu também o pressuposto de que a diversidade cultural é tão importante como a biodiversidade e, hoje, a pobreza no mundo, a inclusão, a demografia e a migração entram na ordem do dia da discussão mundial.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Os deuses das moscas

Com a idade, tendemos a olhar para o passado em jeito de balanço; mas, curiosamente, arrependemo-nos sobretudo do que não fizemos nem vamos já a tempo de fazer. Cá em casa, tentamos, mesmo assim, combater o vazio mostrando um ao outro o que foi a nossa vida antes de estarmos juntos e revisitando os lugares que nos marcaram. Já fomos, por exemplo, a Macieira de Cambra em busca de uma rapariga com quem o Manel dançara um Verão inteiro (e encontrámo-la, mas era tudo menos uma rapariga); e, mais recentemente, por causa de um casamento no Gerês, fizemos um desvio para eu ir ver o hotel das termas onde ele passava férias com os avós quando era adolescente. Ainda hoje o Manel me fala com saudade daqueles julhos pachorrentos, entre passeios ao rio Homem e jogos de cartas numa varanda larga onde as senhoras inventavam napperons e mexericos, enquanto os maridos, de barrigas fartas de tripas e francesinhas no ano inteiro, tratavam dos intestinos com as águas milagrosas de Caldelas. Nas redondezas, havia, ao que parece, uma imensidão de campos; e, por causa das vacas que ali pastavam, os hóspedes não conseguiam dar descanso aos mata-moscas, ameaçados pelas ferradelas das danadas que, não bastando zumbirem irritantemente, ainda tinham o hábito de pousar onde se sabe.