Filme de Alejandro Fernandez Almendras abre mostra de cinema ibero-americano em Lisboa

O filme "Aquí no ha pasado nada", de Alejandro Fernandez Almendras, abre a 04 de dezembro a Mostra de Cinemas Ibero-Americanos, em Lisboa, que vai contar com 41 filmes inéditos, 11 dos quais primeiras obras.

O anúncio foi feito hoje pela Casa da América Latina, que, no âmbito da sua associação à "Passado e Presente - Capital Ibero-americana de Cultura 2017", alarga este ano a já habitual Mostra de Cinema da América Latina - que se realiza há sete anos consecutivos - ao espaço ibérico, com a Mostra de Cinemas Ibero-americanos.

Com curadoria do português Carlos Nogueira e da cubana Teresa Toledo, a mostra de cinemas encerra com os dois mais recentes filmes selecionados: "Tierra mojada", de Juan Sebastián Mesa, e "La defensa del dragón", da estreante Natalia Santa, ambos colombianos.

Os filmes serão projetados no Cinema São Jorge, entre os dias 04 a 16 de dezembro sob o tema "No escurinho do cinema" -- frase da música "Flagra", da artista brasileira Rita Lee, de 1982 - que expressa um "apelo lúdico à memória coletiva", um dos temas base da mostra, que os curadores entenderam acrescentar aos eixos inicialmente previstos.

"As migrações, as questões indígenas, a afro-descendência e o pensamento contemporâneo foram os quatro eixos com que a Teresa e eu começámos a definir o que seria a mostra", disse Carlos Nogueira.

Os curadores acrescentaram a estes eixos outros dois temas: as questões da memória (individual e coletiva, mais recente e menos recente) e o olhar sobre o outro, como corolário sobre a questão da memória.

A ideia inicial era ter exclusivamente longas-metragens, recentes (2015 é a data mais antiga) e inéditas em Portugal, sendo esta uma "oportunidade rara, e em alguns casos única, de estes filmes serem vistos em Portugal", disse Carlos Nogueira.

A opção pelas longas-metragens prendia-se com a falta de tempo físico para fazer uma boa seleção de curtas-metragens.

No entanto, surgiram dois casos que colocaram "problemas" aos curadores e os obrigaram a rever esse critério de exclusão.

"Um dos países tem uma filmografia recente muito interessante, o Peru, mas não estávamos a encontrar uma longa-metragem que se adequasse. Então, vimos várias curtas muito interessantes e optámos por seis curtas em vez de uma longa", explicou.

O outro "problema" foi encontrar um filme português que respeitasse o critério de ser inédito, sendo assim aberta a porta às curtas-metragens para se descobrir uma inédita em Lisboa.

Trata-se do filme "Verão Saturno", de Mónica Lima, numa coprodução com a Alemanha, que se estreou no festival de Curtas de Vila do Conde, e que será apresentado em Lisboa no dia 06 de dezembro com a presença da realizadora.

Carlos Nogueira destacou também aquela que será a antestreia do filme brasileiro "Joaquim", sobre o herói nacional Tiradentes, que contará com a presença dos atores portugueses Isabél Zuua, Nuno Lopes, Diogo Dória e Welket Bungué, que fazem parte do elenco da longa-metragem de Marcelo Gomes.

O outro filme brasileiro selecionado para a mostra foi a curta-metragem "O Peixe", de Jonathas Andrade, sobre uma vila de pescadores com o ritual de abraçar os peixes na hora de pescar.

Carlos Nogueira destacou também "Mala Junta", um filme chileno realizado pela cineasta mapuche Claudia Huaiquimilla, que se debruça sobre um rapaz tímido que é vítima de 'bullying' na escola devido às suas origens.

Os movimentos migratórios, a violência, a alienação urbana, a religiosidade primitiva e o mundo rural em transformação são os temas presentes nos filmes constantes desta mostra ibero-americana.

A secretária-geral da Casa da América Latina, Manuela Júdice, chamou a atenção para a "dinâmica" de seleção de filmes "ao longo de ano e meio", em que muita coisa se foi alterando, "escolhas que tiveram de cair, outras que não foram primeiras escolhas e depois se revelaram importantíssimas, de que é exemplo o filme do Uruguai "El Candidato", de Daniel Hendler.

"Fomos salvos por um filme que afinal será, atrevo-me a dizer, um dos mais populares, com a presença do célebre realizador e ator", acrescentou o curador.

A mostra conta com um total de 41 filmes, dos quais 30 longas-metragens, dez curtas-metragens e uma média-metragem, com a presença de 14 realizadores e de alguns atores.

Exclusivos

Premium

Betinho

Betinho: "NBA? Havia campos que tinham baldes para os jogadores vomitarem"

Nasceu em Cabo Verde (a 2 de maio de 1985), país que deixou aos 16 anos para jogar basquetebol no Barreirense. O talento levou-o até bem perto da NBA, mas foi em Espanha, Andorra e Itália que fez carreira antes de regressar ao Benfica para "festejar no fim". Internacional português desde os Sub-20, disse adeus à seleção há apenas uns meses, para se concentrar na carreira. Tem 34 anos e quer jogar mais três ou quatro ao mais alto nível.