Feira de mobiliário e decoração para hotéis em Paris com recorde de empresas portuguesas

A diversificação dos mercados e a obtenção de novos contratos são os principais objetivos das empresas portuguesas que participam no salão de hotelaria e restauração Equiphotel, em Paris, até 15 de novembro.

Este ano, um número recorde de 59 expositores portugueses marcam presença nesta feira internacional virada para o mobiliário e decoração de hotéis e restaurantes.

Durante os cinco dias deste encontro bianual onde há um total de 1600 expositores, passam mais de 105 mil profissionais da hotelaria, maioritariamente franceses, mas também de outras partes do Mundo.

"É o certame mais importante ao nível da hotelaria na Europa, o principal objetivo das empresas que trazemos é angariar novos clientes e novos mercados. Ainda temos uma concentração grande em França, Espanha e Reino Unido, mas esta feira atrai muita gente dos Estados Unidos, do Norte de África e dos Emirados Árabes Unidos", disse à Lusa Gualter Morgado, diretor executivo da APIMA - Associação Portuguesa Das Indústrias De Mobiliário E Afins.

Segundo a associação, a grande diferença em relação à última edição deste salão é que "o consumidor final já pede mobiliário português".

A APIMA, que ajuda à internacionalização das empresas deste setor no quadro do programa Portugal2020, trouxe a Paris 11 empresas com "maturidade no mercado".

Uma delas é a marca de colchões Colunex, presente pela segunda vez no salão: "No Equiphotel, este ano, há uma melhor e mais estruturada presença das empresas e estamos de parabéns como país, seremos o país mais bem representado", afirmou Eugénio Santos, presidente e CEO da Colunex, em declarações à Lusa.

Também a AIMMP - Associação das Indústrias de Madeira e Mobiliário de Portugal, que também conta com fundos do quadro do programa Portugal2020, traz ao certame 16 empresas com intenções de se internacionalizarem e expandir o seu negócio.

"É a única feira direcionada para a hotelaria e projetos hoteleiros em França, exatamente o que as empresas portuguesas estão à procura", afirmou à Lusa Márcia Melo, técnica de internacionalização de empresas na AIMMP.

Essa é a ambição do ateliê de arquitetura e design de interiores Pilar Paiva de Sousa.

"É uma oportunidade de fazer novos contactos no mercado francês, no qual já trabalhamos. E a França acaba por ser uma porta de entrada para outros países. Por exemplo, acabámos de falar com potenciais clientes vindos Senegal", referiu à Lusa Vera Dantas, relações públicas do atelier Pilar Paiva de Sousa, que em França já conta com a renovação do hotel Mont Royal, em Chantilly, e do hotel Tiara Yaktsa, em Cannes.

A IEP - Instituto Electrotécnico Português, também está presente com três empresas que abrangem o setor elétrico, plásticos para cozinha e têxtil para hotelaria.

Um dos principais pontos de interesse da feira tem ainda assinatura portuguesa, com a criação de um Bar Lounge Restaurante designado "Casa de Luz" com decoração e inspiração portuguesa.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Pedro Lains

O Banco de Portugal está preso a uma história que tem de reconhecer para mudar

Tem custado ao Banco de Portugal adaptar-se ao quadro institucional decorrente da criação do euro. A melhor prova disso é a fraca capacidade de intervir no ordenamento do sistema bancário nacional. As necessárias decisões acontecem quase sempre tarde, de forma pouco consistente e com escasso escrutínio público. Como se pode alterar esta situação, dentro dos limites impostos pelas regras da zona euro, em que os bancos centrais nacionais respondem sobretudo ao BCE? A resposta é difícil, mas ajuda compreender e reconhecer melhor o problema.