Estudo indica que Nova Rota da Seda chinesa expande influência de Pequim

Uma organização não-governamental afirmou hoje que o projeto chinês de infraestruturas "uma Faixa, uma Rota" visa expandir a influência política e presença militar de Pequim, apesar de a China garantir que o objetivo é a cooperação económica.

O relatório, da organização não-governamental C4ADS, com sede nos Estados Unidos, concluiu que os projetos da iniciativa chinesa "uma Faixa, uma Rota" não visam beneficiar os países recetores, como anunciado pela China, mas antes expandir a influência de Pequim além-fronteiras.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros chinês rejeita já as conclusões do relatório e reiterou que a iniciativa visa "sobretudo a cooperação económica" e a promoção do desenvolvimento comum através de infraestruturas.

"A China não está a jogar jogos de geopolítica", sublinhou, em comunicado.

Anunciado pelo Presidente chinês, Xi Jinping, a "Faixa económica da rota da seda e a Rota da seda marítima do século XXI", mais conhecido como "uma Faixa, uma Rota", está avaliada em 900 mil milhões de dólares, e visa reativar as antigas vias comerciais entre a China e a Europa através da Ásia Central, África e Sudeste Asiático.

Redes ferroviárias intercontinentais, portos, aeroportos, centrais elétricas e zonas de comércio livre estão a ser construídos em mais de 60 países, abrangendo 65% da população mundial.

"Os investimentos parecem gerar influência política, expandir dissimuladamente a presença militar da China e criar um ambiente estratégico vantajoso na região", afirmou a C4ADS, que analisa 15 portos financiados pela China no Bangladesh, no Sri Lanka, no Camboja, na Austrália, em Omã, na Malásia, na Indonésia e no Djibuti.

A organização, especializada na análise de dados e questões de segurança, examinou documentos oficiais da China e relatórios de analistas chineses sobre a iniciativa, também conhecida como "Nova Rota da Seda".

Apesar de não existir nenhum documento oficial que relacione a "Nova Rota da Seda" a interesses de segurança da China, analistas chineses escreveram já que ambos estão "intimamente ligados", afirmou o relatório.

"Muitos destes observadores reconheceram que uma rede de centros logísticos marítimos, através da região do Indo-Pacífico, tem potencial para mudar o cenário estratégico da região, e muitos descreveram explicitamente o papel do investimento em infraestruturas na estratégia chinesa", indicou.

Os projetos portuários incluem uso duplo, para fins militares e civis, aumentam a influência do Partido Comunista Chinês, através do envolvimento de firmas estatais chinesas ou o controlo através de participações ou empréstimos a longo prazo, de acordo com o documento.

Lisboa tem insistido na inclusão de uma rota atlântica no projeto chinês, o que permitiria a Sines ligar as rotas do Extremo Oriente ao Oceano Atlântico, beneficiando do alargamento do canal do Panamá.

Ler mais

Exclusivos