Estreia moderna de "Lamentações de Quinta-Feira Santa", de Fernando de Almeida

O ensemble Capella Patriarchal, sob a direção do organista João Vaz, apresenta, na terça-feira, em estreia moderna, as "Lamentações de Quinta-Feira Santa", de Fernando de Almeida, na igreja de S. Vicente de Fora, em Lisboa.

O Concerto de Ano Novo do Patriarcado de Lisboa, na terça-feira às 21:30, apresenta "a primeira audição moderna de uma obra de frei Fernando de Almeida e anuncia a edição completa das obras deste compositor, projeto a iniciar este ano e se estenderá a 2020", disse à agência Lusa João Vaz.

A edição, coordenada por João Vaz e João Pedro Alvarenga, resulta de uma cooperação entre o Instituto Politécnico de Lisboa, o Centro de Estudos de Sociologia e Estética Musical e a Associação das Universidades de Língua Portuguesa.

As únicas cópias manuscritas das partituras das "Lamentações de Quinta-Feira Santa" encontram-se conservadas na Biblioteca do Paço Ducal de Vila Viçosa, no Alto Alentejo, tendo sido "elaboradas por ordem de D. João V, facto que prova o prestígio do compositor, mesmo meio século após a sua morte", referiu à Lusa João Vaz, que realçou a "altíssima qualidade" da composição deste frade da Ordem de Cristo.

"O estilo de frei Fernando de Almeida, mantendo embora a estrutura polifónica presente em obras de compositores anteriores, é impregnado dos madrigalismos típicos da música italiana daquele período", destacou João Vaz.

Os textos de obras de frei Fernando de Almeida "são particularmente enriquecidos pelos recursos musicais que sublinham determinadas palavras", disse o músico.

A "Missa ferial" e o "Benedictus Dominus Deus Israel", também de Fernando de Almeida, e que serão incluídos no concerto da próxima terça-feira, tinham sido já apresentados em primeira audição moderna pela Capella Patriarchal, também no âmbito dos concertos de Ano Novo do Patriarcado de Lisboa, respetivamente em 2010, e em 2017.

Fernando de Almeida foi um frade natural de Lisboa, que professou no Convento de Tomar, sede da Ordem de Cristo, no ano de 1638, sendo elevado ao cargo de visitador em 1656, tendo falecido a 21 de março de 1660.

Na Biblioteca do Paço Ducal de Vila Viçosa, conservam-se 16 obras conhecidas de Fernando de Almeida.

A Capella Patriarchal, criada em 2006 por João Vaz com o objetivo de divulgar dos tesouros da música sacra portuguesa praticada na região de Lisboa nos séculos XVI a XIX, apresentou já dezenas de obras em primeira audição moderna.

Neste concerto, o grupo é constituído por Mariana Moldão e Inês Lopes (sopranos), Carolina Figueiredo e Fátima Nunes (contraltos), João Rodrigues e Pedro Rodrigues (tenores), e Manuel Rebelo e Hugo Oliveira (baixos). Os dois órgãos que acompanharão os cantores serão tocados por Sérgio Silva e João Vaz, que assume a direção musical.

Em 2011, a Capella Patriarchal editou em CD a primeira gravação integral dos Responsórios de Quinta-Feira Santa de frei Fernando de Almeida.

João Vaz é professor da Escola Superior de Música de Lisboa e organista titular do órgão de S. Vicente de Fora. Responsável pela programação do Festival de Órgão da Madeira e das séries de concertos de órgão na Basílica do Palácio Nacional de Mafra e na Igreja de São Vicente de Fora, foi também consultor para diversos restauros de órgãos históricos.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?

Premium

Adriano Moreira

A crise política da União Europeia

A Guerra de 1914 surgiu numa data em que a Europa era considerada como a "Europa dominadora", e os povos europeus enfrentaram-se animados por um fervor patriótico que a informação orientava para uma intervenção de curto prazo. Quando o armistício foi assinado, em 11 de novembro de 1918, a guerra tinha provocado mais de dez milhões de mortos, um número pesado de mutilados e doentes, a destruição de meios de combate ruinosos em terra, mar e ar, avaliando-se as despesas militares em 961 mil milhões de francos-ouro, sendo impossível avaliar as destruições causadas nos territórios envolvidos.