Escritores de todo o mundo debatem em Lisboa "o esplendor do conto"

Mais de 100 escritores de todo o mundo, incluindo vários portugueses traduzidos para língua inglesa, participam este ano no Congresso Internacional do Conto em Inglês, a decorrer em Lisboa, no final do mês, anunciou hoje a organização.

O 15.º Congresso Internacional do Conto em Inglês é organizado pela Faculdade de Letras e pelo Centro de Estudos Anglísticos da Universidade de Lisboa (CEAUL), em conjunto com a Sociedade para o Estudo do Conto em Inglês, que assinala nesta data o seu 30.º aniversário.

O congresso vai decorrer entre os dias 27 e 30 de junho, na Universidade de Lisboa, subordinado ao tema "Além da história: O esplendor do conto".

"A 15.ª Conferência Internacional sobre o conto em inglês traz escritores de várias nacionalidades para Lisboa, uma cidade onde as culturas do mundo se encontram e as histórias da História se desenrolam em cada esquina. Neste cenário, escritores de ficção em inglês, ou autores que tenham sido traduzidos para o inglês, juntamente com estudiosos do conto, participarão em sessões de leitura, mesas redondas e painéis, bem como nas sessões mais tradicionais de apresentação de trabalhos", afirma a organização na página oficial do congresso.

Com este encontro internacional, a organização aguarda "com expectativa" a oportunidade de "destacar a variedade de maneiras pelas quais o conto ganha uma forma específica, esbate as fronteiras com outros estilos literários, vai para além do meio escrito e apropria-se de outros processos e linguagens artísticas, moldando-se novamente, num processo sem fim".

"De facto, provando ser um meio extremamente resiliente, o conto tem vindo a mudar, ao longo dos tempos, as tendências estéticas, sem nunca perder o núcleo que o torna uma forma distinta de expressão do génio humano", acrescenta.

Entre os escritores portugueses presentes no congresso, contam-se Teolinda Gersão, Lídia Jorge, Hélia Correia, Maria Teresa Horta, Luísa Costa Gomes, Gonçalo M. Tavares, Mário de Carvalho, Jacinto Lucas Pires, José Riço Direitinho, Onésimo Almeida e Rui Zink, entre outros.

Quanto aos autores estrangeiros, são esperados nomes como Robert Olen Butler, vencedor do Prémio Pulitzer, Clark Blaise, galardoado com o 'Lifetime Achievement Award' da Academia Americana de Artes e Letras, e Ge Liang, vencedor do 'Unitas Fiction Writer's Prize of Taiwan'.

O congresso conta ainda com a presença de alguns escritores lusodescendentes, como os luso-americanos Katherine Vaz e Darrell Kastin, ou como Minoli Salgado, do Sri Lanka.

No dia anterior ao início do encontro, 26 de junho, vão decorrer várias oficinas em inglês, cuja frequência não obriga à participação no congresso.

Jacinto Lucas Pires orientará uma destas sessões, na qual abordará o tema "listening" (ouvir, na tradução para português), na medida em que "escrever é uma forma de ouvir", de dar espaço à voz específica de cada história.

Luísa Costa Gomes vai estar responsável por uma oficina intitulada "Beginnings" (começos), focado nos contos e nas suas aberturas.

"Como começar contos? Como criar inícios fortes? Como é que isso pode afetar a restante narrativa?", estes são os pontos de partida para uma conversa, em que serão analisados alguns exemplos e partilhadas algumas ideias, no sentido de dar resposta a estas questões.

O preço por oficina é de 150 euros e a lotação máxima é de 12 participantes, adianta a organização.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A Europa, da gasolina lusa ao palhaço ucraniano

Estamos assim, perdidos algures entre as urnas eleitorais e o comando da televisão. As urnas estão mortas e o nosso comando não é nenhum. Mas, ao menos, em advogado de Maserati que conduz sindicalistas podíamos não ver matéria de gente rija como cornos. Matéria perigosa, sim. Em Portugal como mais a leste. Segue o relato longínquo para vermos perto.Ontem, defrontaram-se os dois candidatos a presidir a Ucrânia. Não é assunto irrelevante apesar de vivermos no outro extremo da Europa. Afinal, num canto ainda mais a leste daquele país há uma guerra civil meio instigada pelos russos - e hoje sabemos, como não sabíamos ainda há pouco, que as guerras de anteontem podem voltar.

Premium

Marisa Matias

Greta Thunberg

A Antonia estava em Estrasburgo e aproveitou para vir ao Parlamento assistir ao discurso da Greta Thunberg, que para ela é uma heroína. A menina de 7 ou 8 anos emocionou-se quando a Greta se emocionou e não descolou os olhos enquanto ela falava. Quando, no final do discurso, se passou à ronda dos grupos parlamentares, a Antonia perguntou se podia sair. Disse que tinha entendido tudo o que a Greta tinha dito, mas que lhe custava estar ali porque não percebia nada do que diziam as pessoas que estavam agora a falar. Poucos minutos antes de a Antonia ter pedido para sair, eu tinha comentado com a minha colega Jude, com quem a Antonia estava, que me envergonhava a forma como os grupos parlamentares estavam a dirigir-se a Greta.