Escolas portuguesas no estrangeiro reunidas a partir de hoje na capital de Cabo Verde

Praia, 04 mai 2019 (Lusa) -- As escolas portuguesas no estrangeiro, onde estudam 6.000 alunos de várias nacionalidades e lecionam 500 professores, vão reunir-se a partir de hoje e até terça-feira na capital de Cabo Verde, com o futuro do ensino da língua e cultura portuguesas na agenda.

Com o tema "Língua Portuguesa e os Desafios do Futuro", o encontro é uma iniciativa da Direção-Geral da Administração Escolar (DGAE) e da Escola Portuguesa de Cabo Verde -- Centro de Ensino e da Língua Portuguesa (EPCV-CELP), estando prevista a presença de escolas portuguesas na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) e da Região Administrativa Especial de Macau.

Segundo os organizadores, trata-se de "uma oportunidade para conhecer e divulgar as escolas portuguesas no estrangeiro, os seus projetos e as suas áreas de intervenção, quer nos domínios do ensino e da formação quer ainda no setor da cooperação com os países onde estão sediadas".

No segundo dia do encontro, no domingo, assinala-se o Dia da Língua Portuguesa e da Cultura na CPLP, que evoca "a importância da língua, a sua difusão e promoção", recordam os promotores do evento.

Ao longo de quatro dias vão realizar-se nas instalações da Escola Portuguesa em Cabo Verde, na cidade da Praia, conferências, painéis, apresentação de comunicações e momentos de reflexão e partilha.

Entre os vários temas que estarão em debate conta-se "a língua portuguesa face aos desafios do futuro", a "multiculturalidade nas escolas portuguesas no estrangeiro", "na rota da Viagem de Circum-Navegação", a "inovação, autonomia e flexibilidade curricular" e os desafios para o futuro destes estabelecimentos de ensino.

As escolas portuguesas no estrangeiro foram criadas no âmbito do aprofundamento das relações de amizade e de cooperação, no domínio da Educação, através da assinatura de protocolos de cooperação bilateral entre o Estado português e Cabo Verde, São Tomé e Príncipe, Angola, Moçambique, Timor-Leste e RAE Macau.

Estes estabelecimentos educativos públicos são frequentados por alunos das mais diversas nacionalidades.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.