Ébola faz 17 mortos na República Democrática do Congo e autoridades declaram "novo surto"

A República Democrática do Congo (RDCongo) "está a enfrentar um novo surto da doença do vírus do Ébola", que já matou 17 pessoas numa província da região noroeste daquele país, disse hoje o Ministério da Saúde local.

"Vinte e um casos de febre com sintomas hemorrágicos e 17 mortes" foram registados pelas autoridades no passado dia 03 de maio, afirmou o ministério num comunicado, frisando que esta situação é "uma emergência de saúde pública de preocupação internacional".

Este é o nono surto de Ébola na RDCongo, país que faz fronteira com Angola, desde 1976.

Num comunicado citado pela agência espanhola EFE, a Organização Mundial de Saúde (OMS) informou que a RDCongo declarou um novo surto de Ébola, ao ter detetado dois casos positivos na cidade de Bikoro (noroeste).

Entre os cinco casos analisados, dois deram positivos nos testes realizados no Instituto Nacional de Investigação Biomédica em Kinshasa, de acordo com a organização.

Na sua conta na rede social Twitter, a OMS indicou que está a trabalhar em estreita colaboração com o governo da RDCongo para mobilizar pessoal técnico e recursos para fazer frente ao novo surto.

A doença por vírus do Ébola é altamente contagiosa e é transmitida por contacto direto com fluidos ou secreções corporais de pessoas infetadas, mortas ou vivas. Pode também ser transmitida através do contacto direto com superfícies, objetos ou roupas contaminadas com fluidos de doentes.

Os sintomas mais frequentes são febre, náuseas, vómitos e diarreia, dores abdominais, dores musculares, dores de cabeça, dores de garganta, fraqueza e hemorragia inexplicada, que aparecem subitamente entre dois e 21 dias após a exposição ao vírus, segundo a descrição disponível na página 'online' da Direção-geral da Saúde.

Não existe, neste momento, tratamento específico para a doença, nem vacinas comercialmente disponíveis.

Uma epidemia de Ébola na África ocidental, que afetou sobretudo a Guiné-Conacri, a Serra Leoa e a Libéria, foi controlada durante o ano de 2015.

Este recente surto de Ébola foi o mais grave e prolongado desde que o vírus foi descoberto, em 1976. Na altura, foram contabilizados cerca de 28.601 casos, desde que surgiu em dezembro de 2013, dos quais um terço dos doentes (11.299) acabou por morrer.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.