É preciso "agir urgentemente" junto dos jovens para combater abstenção - Governo

Lisboa, 28 mai 2019 (Lusa) -- O ministro da Educação defendeu hoje que é preciso "agir urgentemente" junto dos jovens tendo em conta a abstenção nas eleições europeias que, em Portugal, rondou os 70%.

"Muitos milhares de cidadãos foram votar, mas muitos outros milhares -- mais ainda -- abdicaram de o fazer", sublinhou o ministro, Tiago Brandão Rodrigues, durante a Conferência Internacional "Educação, Cidadania, Mundo. Que escola para que sociedade?", que está a decorrer no Pavilhão do Conhecimento, em Lisboa.

Em Portugal, apenas 31% dos eleitores participaram nas eleições europeias, sendo a sexta pior taxa da União Europeia, cuja média foi de 50,82%.

O ministro lamentou que a maioria dos jovens portugueses faça parte do grupo que, no domingo, não exerceu o seu direito de voto: "Há um número muito alto de abstenção entre os jovens".

A taxa de abstenção próxima dos 70% "vem dizer que temos de agir urgentemente", defendeu Tiago Brandão Rodrigues, em declarações aos jornalistas, à margem do encontro.

"A cada passo que não exercem a sua cidadania, há alguém que exerce por eles", alertou, reconhecendo que "a escola tem um papel fundamental" no processo de "criar sociedades livres, democráticas e sustentáveis".

As escolas, contou, têm vários projetos pensados para sensibilizar os jovens para a importância de participar nos atos de cidadania e valorizar os processos democráticos.

Além das aulas de cidadania, existem iniciativas como "A Voz dos Alunos", em que são chamados a dar a sua opinião sobre como melhorar a escola, ou o "Orçamento Participativo das Escolas", em que os alunos podem apresentar projetos para melhorar a escola.

No Orçamento Participativo, um aluno ou grupo que tenha uma ideia só precisa de reunir apoios e angariar votos dos restantes estudantes. No final, todas as propostas são votadas e o projeto vencedor torna-se realidade.

"É preciso uma prática diária para que a cidadania se cumpra", lembrou hoje Tiago Brandão Rodrigues.

No entanto, no caso dos processos eleitorais não basta o trabalho das escolas: "É um problema multifactorial o que leva a afastar [as pessoas] do voto", sublinhou.

O ministro deu exemplos que mostram como os mais novos estão empenhados em algumas causas, como a defesa do Planeta. Na semana passada, pela segunda vez em Portugal, milhares de estudantes voltaram a ocupar as ruas para alertar para a crise climática, participando na Greve Climática Estudantil, que se realizou em mais de uma centena de países.

O combate às alterações climáticas foi tomado como um direito fundamental dos mais novos que agora precisam de olhar para os processos eleitorais da mesma forma.

"A ignorância facilita a manipulação e os regimes autoritários", alertou por seu turno Snezana Samardzic-Markovic, Diretora-Geral da Direção-Geral de Democracia do Conselho da Europa, que também esteve na conferência sobre "Educação, Cidadania, Mundo. Que escola para que sociedade?".

Snezana Samardzic-Markovic lembrou que uma educação de qualidade e acessível a todos é uma importante ferramenta para prevenir injustiças sociais.

"Precisamos de uma sociedade estável e tolerante", sublinhou a representante do Conselho da Europa, lembrando que a "empatia e a solidariedade" são qualidades que se adquirem através da educação.

A conferência internacional, que termina na quarta-feira, conta também com a colaboração da Organização de Estados Ibero-americanos para a Educação, a Ciência e a Cultura (OEI), a Comunidade de Países de Língua Portuguesa (CPLP) e o Conselho da Europa.

Exclusivos

Premium

história

A América foi fundada também por angolanos

Faz hoje, 25 de agosto, exatos 400 anos que desembarcaram na América os primeiros negros. Eram angolanos os primeiros 20 africanos a chegar à América - a Jamestown, colónia inglesa acabada se ser fundada no que viria a ser o estado da Virgínia. O jornal The New York Times tem vindo a publicar uma série de peças jornalísticas, inseridas no Project 1619, dedicadas ao legado da escravatura nos Estados Unidos. Os 20 angolanos de Jamestown vinham num navio negreiro espanhol, a caminho das minas de prata do México; o barco foi apresado por piratas ingleses e levados para a nova Jamestown. O destino dos angolanos acabou por ser igual ao de muitos colonos ingleses: primeiro obrigados a trabalhar como contratados e, ao fim de alguns anos, livres e, por vezes, donos de plantações. Passados sete anos, em 1626, chegaram os primeiros 11 negros a Nova Iorque (então, Nova Amesterdão) - também eram angolanos. O Jornal de Angola publicou ontem um longo dossiê sobre estes acontecimentos que, a partir de uma das maiores tragédias da História moderna, a escravatura, acabaram por juntar o destino de dois países, Angola e Estados Unidos, de dois continentes distantes.