Curta de animação "Água Mole" vence Grande Prémio do festival Caminhos

A curta de animação sobre a desertificação do interior "Água Mole", de Laura Gonçalves e Alexandra Ramires, venceu o Grande Prémio do festival Caminhos do Cinema Português, em Coimbra, divulgou hoje a organização.

A curta de animação, com produção do Bando À Parte e Rodrigo Areias, foi feita com recurso a gravura e combina relatos reais e uma narrativa ficcionada em torno do abandono do interior do país, através daqueles que continuam a resistir.

"António 1, 2, 3", do brasileiro a residir em Portugal Leonardo Mouramateus venceu o prémio de Melhor Longa-metragem, arrecadando também o prémio do Júri de Imprensa, pela "arquitetura narrativa original" e pelo facto "de o filme não seguir um modelo ou referência óbvios", informou a organização, em nota de imprensa enviada à agência Lusa.

O filme "Quem é Bárbara Virgínia", de Luísa Sequeira, venceu o prémio de Melhor Documentário, "Última Chamada", de Sara Barbas, o de Melhor Animação, e "Humores Artificiais", de Gabriel Abrantes, o de Melhor Curta.

O realizador Marco Martins leva para casa o Prémio Don Quijote, da Federação Internacional de Cineclubes, pelo "modo artístico de mostrar o problema social europeu" no filme "São Jorge".

O filme arrecadou também os prémios de melhor ator principal (Nuno Lopes) e secundário (José Raposo).

Segundo a organização, o Prémio Revelação do festival Caminhos é entregue a Mauro Soares "pela intensidade da personagem" a que deu vida no filme "António 1, 2, 3".

André Simões e Leonor Noivo recebem o prémio de Melhor Argumento Original para o filme "Tudo o que Imagino".

Já na seleção Ensaios (destinada a filmes produzidos em contexto escolar ou académico), o prémio principal foi para Tiago Amorim com "78.4 FM", pela "forma "forma inteligente de contar uma história de amor e de perda, de sonho e de sucesso".

Na secção internacional dos Ensaios, venceu Clara Stern, da Academia de Cinema de Viena, com "Waiting Time", referiu a organização.

A 23.ª edição do festival Caminhos do Cinema Português decorreu entre segunda-feira e hoje, contando com a exibição de mais de 50 filmes na seleção principal, entre animação, curtas ficção, curtas documentário, longas ficcionais e documentário.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

A ameaça dos campeões europeus

No dia 6 de fevereiro, Margrethe Vestager, numa só decisão, fez várias coisas importantes para o futuro da Europa, mas (quase) só os jornais económicos repararam. A comissária europeia para a Concorrência, ao impedir a compra da Alstom pela Siemens, mostrou que, onde a Comissão manda, manda mais do que os Estados membros, mesmo os grandes; e, por isso mesmo, fez a Alemanha e a França dizerem que querem rever as regras do jogo; relançou o debate sobre se a Europa precisa, ou não (e em que condições), de campeões para competir na economia global; e arrasou com as suas possibilidades (se é que existiam) de vir a suceder a Jean-Claude Juncker.

Premium

Anselmo Borges

Islamofobia e cristianofobia

1. Não há dúvida de que a visita do Papa Francisco aos Emirados Árabes Unidos de 3 a 5 deste mês constituiu uma visita para a história, como aqui procurei mostrar na semana passada. O próprio Francisco caracterizou a sua viagem como "uma nova página no diálogo entre cristianismo e islão". É preciso ler e estudar o "Documento sobre a fraternidade humana", então assinado por ele e pelo grande imã de Al-Azhar. Também foi a primeira vez que um Papa celebrou missa para 150 mil cristãos na Península Arábica, berço do islão, num espaço público.

Premium

Adriano Moreira

Uma ameaça à cidadania

A conquista ocidental, que com ela procurou ocidentalizar o mundo em que agora crescem os emergentes que parecem desenhar-lhe o outono, do modelo democrático-liberal, no qual a cidadania implica o dever de votar, escolhendo entre propostas claras a que lhe parece mais adequada para servir o interesse comum, nacional e internacional, tem sofrido fragilidades que vão para além da reforma do sistema porque vão no sentido de o substituir. Não há muitas décadas, a última foi a da lembrança que deixou rasto na Segunda Guerra Mundial, pelo que a ameaça regressa a várias latitudes.