Estudo do ISCAP indica que 24% da população portuguesa tem formação superior

Um estudo do Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP) mostra que 24% da população portuguesa tem formação superior, média inferior aos 37% registados nos países pertencentes à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Os resultados deste trabalho, designado "Determinantes e Significados do Ingresso dos jovens no Ensino Superior: Vozes dos Estudantes e de Agentes do Contexto Educativo", mostram que "Portugal não tem diplomados a mais", havendo sim "falta de conhecimento sobre ofertas do Ensino Superior", segundo uma nota do ISCAP.

Este estudo foi desenvolvido a pedido do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, com o objetivo de identificar os fatores que facilitam ou inibem a entrada dos alunos em cursos universitários ou politécnicos, lê-se na nota informativa.

De acordo com a investigadora e vice-presidente do ISCAP, Diana Aguiar Vieira, responsável pelo estudo, o maior inibidor do prosseguimento dos estudos de nível superior é a falta de conhecimento dos requisitos e condições por parte dos jovens.

Esta conclusão, continuou, reforça a necessidade de promover um maior conhecimento do sistema educativo junto dos estudantes dos ensinos Básico e Secundário e esclarecer a população sobre os benefícios de uma qualificação superior.

O estudo indica igualmente que as barreiras financeiras, as experiências negativas, as fracas expectativas quanto ao retorno do investimento, a localização e o funcionamento dos cursos, a indecisão, a insuficiente orientação vocacional e o desejo de autonomia são outros dos fatores que inibem a entrada no Ensino Superior.

Segundo o trabalho do ISCAP, cerca de 45% dos estudantes do Ensino Secundário frequentam cursos profissionais - com 16% deste grupo a prosseguir os estudos após o 12.º ano - e apenas quatro em cada 10 jovens com 20 anos frequentam o Ensino Superior.

Com base nestas conclusões, a responsável acredita que uma das medidas para contornar a situação passa por desconstruir o preconceito social relativo ao ensino profissionalizante e pela implementação de novas modalidades de acesso ao Ensino Superior para os estudantes oriundos de cursos profissionais.

A flexibilização dos percursos educativos - diminuindo o fator determinante das escolhas vocacionais do 9.º para o 10.º ano e do Ensino Secundário para o Ensino Superior -, a integração dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais no concurso nacional de acesso ao Ensino Superior e a revisão do cálculo da nota de acesso são outras das medidas apontadas.

"Adicionalmente, conclui-se que é preciso rever o sistema de acesso ao Ensino Superior, como também reforçar a aproximação do tecido empresarial e social aos contextos educativos", acrescenta o comunicado.

Os resultados evidenciam ainda para a necessidade de desenvolver um plano estratégico de formação contínua dirigida aos psicólogos do contexto escolar, reforçando também os Serviços de Apoio Psicológico e a formação psicopedagógica dos docentes ao nível do Ensino Superior.

37% registados nos países pertencentes à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Participaram no estudo 1.091 estudantes (do 9.º até ao 1.º ano do Ensino Superior) e 299 profissionais do contexto educativo (psicólogos de escolas de 3.º ciclo e do Ensino Secundário e profissionais dos gabinetes de comunicação e imagem de instituições de Ensino Superior), tendo os dados sido recolhidos entre março e julho de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Henrique Burnay

Discretamente, sem ninguém ver

Enquanto nos Estados Unidos se discute se o candidato a juiz do Supremo Tribunal de Justiça americano tentou, ou não, há 36 anos abusar, ou mesmo violar, uma colega (quando tinham 17 e 15 anos), para além de tudo o que Kavanauhg pensa, pensou, já disse ou escreveu sobre o que quer que seja, em Portugal ninguém desconfia quem seja, o que pensa ou o que pretende fazer a senhora nomeada procuradora-geral da República, na noite de quinta-feira passada. Enquanto lá se esmiúça, por cá elogia-se (quem elogia) que o primeiro-ministro e o Presidente da República tenham muito discretamente combinado entre si e apanhado toda a gente de surpresa. Aliás, o apanhar toda a gente de surpresa deu, até, direito a que se recordasse como havia aqui genialidade tática. E os jornais que garantiram ter boas fontes a informar que ia ser outra coisa pedem desculpa mas não dizem se enganaram ou foram enganados. A diferença entre lá e cá é monumental.

Premium

Ruy Castro

À falta do Nobel, o Ig Nobel

Uma das frustrações brasileiras históricas é a de que, até hoje, o Brasil não ganhou um Prémio Nobel. Não por falta de quem o merecesse - se fizesse direitinho o seu dever de casa, a Academia Sueca, que distribui o prémio desde 1901, teria descoberto qualidades no nosso Alberto Santos-Dumont, que foi o verdadeiro inventor do avião, em João Guimarães Rosa, autor do romance Grande Sertão: Veredas, escrito num misto de português e sânscrito arcaico, e, naturalmente, no querido Garrincha, nem que tivessem de providenciar uma categoria especial para ele.