Estudo do ISCAP indica que 24% da população portuguesa tem formação superior

Um estudo do Instituto Superior de Contabilidade e Administração do Porto (ISCAP) mostra que 24% da população portuguesa tem formação superior, média inferior aos 37% registados nos países pertencentes à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Os resultados deste trabalho, designado "Determinantes e Significados do Ingresso dos jovens no Ensino Superior: Vozes dos Estudantes e de Agentes do Contexto Educativo", mostram que "Portugal não tem diplomados a mais", havendo sim "falta de conhecimento sobre ofertas do Ensino Superior", segundo uma nota do ISCAP.

Este estudo foi desenvolvido a pedido do Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, com o objetivo de identificar os fatores que facilitam ou inibem a entrada dos alunos em cursos universitários ou politécnicos, lê-se na nota informativa.

De acordo com a investigadora e vice-presidente do ISCAP, Diana Aguiar Vieira, responsável pelo estudo, o maior inibidor do prosseguimento dos estudos de nível superior é a falta de conhecimento dos requisitos e condições por parte dos jovens.

Esta conclusão, continuou, reforça a necessidade de promover um maior conhecimento do sistema educativo junto dos estudantes dos ensinos Básico e Secundário e esclarecer a população sobre os benefícios de uma qualificação superior.

O estudo indica igualmente que as barreiras financeiras, as experiências negativas, as fracas expectativas quanto ao retorno do investimento, a localização e o funcionamento dos cursos, a indecisão, a insuficiente orientação vocacional e o desejo de autonomia são outros dos fatores que inibem a entrada no Ensino Superior.

Segundo o trabalho do ISCAP, cerca de 45% dos estudantes do Ensino Secundário frequentam cursos profissionais - com 16% deste grupo a prosseguir os estudos após o 12.º ano - e apenas quatro em cada 10 jovens com 20 anos frequentam o Ensino Superior.

Com base nestas conclusões, a responsável acredita que uma das medidas para contornar a situação passa por desconstruir o preconceito social relativo ao ensino profissionalizante e pela implementação de novas modalidades de acesso ao Ensino Superior para os estudantes oriundos de cursos profissionais.

A flexibilização dos percursos educativos - diminuindo o fator determinante das escolhas vocacionais do 9.º para o 10.º ano e do Ensino Secundário para o Ensino Superior -, a integração dos Cursos Técnicos Superiores Profissionais no concurso nacional de acesso ao Ensino Superior e a revisão do cálculo da nota de acesso são outras das medidas apontadas.

"Adicionalmente, conclui-se que é preciso rever o sistema de acesso ao Ensino Superior, como também reforçar a aproximação do tecido empresarial e social aos contextos educativos", acrescenta o comunicado.

Os resultados evidenciam ainda para a necessidade de desenvolver um plano estratégico de formação contínua dirigida aos psicólogos do contexto escolar, reforçando também os Serviços de Apoio Psicológico e a formação psicopedagógica dos docentes ao nível do Ensino Superior.

37% registados nos países pertencentes à Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Participaram no estudo 1.091 estudantes (do 9.º até ao 1.º ano do Ensino Superior) e 299 profissionais do contexto educativo (psicólogos de escolas de 3.º ciclo e do Ensino Secundário e profissionais dos gabinetes de comunicação e imagem de instituições de Ensino Superior), tendo os dados sido recolhidos entre março e julho de 2017.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

Conhecem a última anedota do Brexit?

Quando uma anedota é uma anedota merece ser tratada como piada. E se a tal anedota ocupa um importante cargo histórico não pode ser levada a sério lá porque anda com sapatos de tigresa. Então, se a sua morada oficial é em Downing Street, o nome da rua - "Downing", que traduzido diz "cai, desaba, vai para o galheiro..." - vale como atual e certeira análise política. Tal endereço, tal país. Também o número da porta de Downing Street, o "10", serve hoje para fazer interpretações políticas. Se o algarismo 1 é pela função, mora lá a primeira-ministra, o algarismo 0 qualifica a atual inquilina. Para ser mais exato: apesar de ela ser conservadora, trata-se de um zero à esquerda. Resumindo, o que dizer de uma poderosa governante que se expõe ao desprezo quotidiano do carteiro?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

A escolha de uma liberdade

A projeção pública da nossa atividade, sobretudo quando, como é o caso da política profissional, essa atividade é, ela própria, pública e publicamente financiada, envolve uma certa perda de liberdade com que nunca me senti confortável. Não se trata apenas da exposição, que o tempo mediático, por ser mais veloz do que o tempo real das horas e dos dias, alargou para além da justíssima sindicância. E a velocidade desse tempo, que chega a substituir o tempo real porque respondemos e reagimos ao que se diz que é, e não ao que é, não vai abrandar, como também se não vai atenuar a inversão do ónus da prova em que a política vive.

Premium

Marisa Matias

Penalizações antecipadas

Um estudo da OCDE publicado nesta semana mostra que Portugal é dos países que mais penalizam quem se reforma antecipadamente e menos beneficia quem trabalha mais anos do que deve. A atual idade de reforma é de 66 anos e cinco meses. Se se sair do mercado de trabalho antes do previsto, o corte é de 36% se for um ano e de 45%, se forem três anos. Ou seja, em três anos é possível perder quase metade do rendimento para o qual se trabalhou uma vida. As penalizações são injustas para quem passou, literalmente, a vida toda a trabalhar e não tem como vislumbrar a possibilidade de deixar de fazê-lo.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

O planeta dos sustentáveis 

Ao ambiente e ao planeta já não basta a simples manifestação da amizade e da esperança. Devemos-lhes a prática do respeito. Esta é, basicamente, a mensagem da jovem e global ativista Greta Thunberg. É uma mensagem positiva e inesperada. Positiva, porque em matéria de respeito pelo ambiente, demonstra que já chegámos à consciencialização urgente de que a ação já está atrasada em relação à emergência de catástrofes como a de Moçambique. Inesperada (ao ponto do embaraço para todos), pela constatação de que foi a nossa juventude, de facto e pela onda da sua ação, a globalizar a oportunidade para operacionalizar a esperança.