Carteira de jornalista vai ser "reconhecimento global" da profissão em Macau - dirigente

O presidente da Associação de Imprensa em Português e Inglês de Macau (AIPIM), José Carlos Matias, defendeu hoje que o acesso à carteira internacional de jornalista vai ser "um reconhecimento global" da profissão naquele território.

Na quarta-feira, a AIPIM anunciou que os seus membros vão passar a ter acesso ao cartão internacional da Federação Internacional de Jornalistas (FIJ), uma conquista sem precedentes num território onde não existe um sistema de acreditação da profissão.

"Na ausência de um sistema de acreditação interno, nos moldes como por exemplo existe em Portugal, o acesso a este cartão tem importância no sentido em que estamos a falar de um cartão com reconhecimento global", sublinhou José Carlos Matias.

Lançada em 1927, a carteira internacional da FIJ é atribuída em mais de 130 países a associações de jornalistas, na sua maioria sindicatos nacionais.

Mesmo "não sendo um sindicato por natureza", uma vez que em Macau não existe uma "lei sindical ou um enquadramento legal neste sentido", a AIPIM voltou a insistir na "ambição de longa data" de se juntar à FIJ, lembrou à Lusa o responsável da AIPIM.

Em novembro do ano passado, a candidatura da AIPIM como membro associado recebeu finalmente a luz verde.

"Para as associações de jornalistas que operam em países sem enquadramento sindical, eles [FIJ] têm uma categoria de membro associado. Foi o máximo que conseguimos tendo em conta o sítio onde trabalhamos", explicou.

Como a FIJ não atribui carteiras diretamente, a direção da AIPIM anunciou na quarta-feira a criação da Comissão de Credenciação de Jornalistas da Associação de Imprensa em português e Inglês de Macau (CCJAIPIM).

A CCJAIPIM, composta por um presidente, um vice-presidente e um secretário, vai avaliar se os requerentes seguem o estatuto de jornalista aprovado pela associação.

"Quem emite são as duas partes, no sentido em que o cartão é da FIJ mas a definição e gestão dos critérios é sempre feita pela associação", disse o responsável máximo da AIPIM, que irá ocupar o cargo de secretário da nova comissão.

Por fim, José Carlos Matias mostrou-se confiante na emissão das carteiras a partir do "final deste ano, início do próximo".

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.