Brexit: UE descarta cimeira em novembro e fica a aguardar progressos reais

Os chefes de Estado e de Governo da União Europeia a 27 concordaram hoje, em Bruxelas, que não se registaram progressos suficientes nas negociações com o Reino Unido para agendar uma nova cimeira para novembro, indicaram fontes diplomáticas europeias.

Depois de terem ouvido a primeira-ministra britânica, Theresa May, e, já sem o Reino Unido na sala, terem escutado o ponto da situação pelo chefe-negociador da UE, Michel Barnier, os líderes dos 27 concordaram que, apesar das intensas negociações, "não foram alcançados suficientes progressos" que permitam fechar em breve um acordo global com o Reino Unido para a concretização do 'Brexit', pelo que a sessão de trabalhos acabou por ser curta.

De acordo com várias fontes diplomáticas, os 27 reiteraram a sua total confiança no negociador-chefe da UE e afirmaram-se prontos a convocar um novo Conselho Europeu, mas apenas "se e quando" Barnier der contas de progressos reais nas negociações com Londres que desbloqueiem o impasse a que se chegou e que inviabilizou um compromisso hoje.

A possível realização de uma nova cimeira em novembro, que chegou a ser sugerida pelo presidente do Conselho Europeu, Donald Tusk, foi, portanto, descartada para já, pois a mesma visava formalizar um acordo caso fosse hoje constatado que o mesmo estaria próximo, mas Barnier reafirmou hoje que "é preciso tempo, muito mais tempo".

Os líderes europeus continuam reunidos em Bruxelas na quinta-feira, para uma sessão de trabalhos do Conselho Europeu dedicada sobretudo às questões das migrações e da cibersegurança, seguindo-se uma cimeira do Euro, na qual participará também o presidente do Eurogrupo, Mário Centeno.

Portugal está representado no Conselho Europeu pelo primeiro-ministro, António Costa, que hoje não prestou declarações sobre o 'Brexit'.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Opinião

'Motu proprio' anti-abusos

1. Muitas vezes me tenho referido aqui, e não só aqui, à tragédia da pedofilia na Igreja. Foram milhares de menores e adultos vulneráveis que foram abusados. Mesmo sabendo que o número de pedófilos é muito superior na família e noutras instituições, a gravidade da situação na Igreja é mais dramática. Por várias razões: as pessoas confiavam na Igreja quase sem condições, o que significa que houve uma traição a essa confiança, e o clero e os religiosos têm responsabilidades especiais. O mais execrável: abusou-se e, a seguir, ameaçou-se as crianças para que mantivessem silêncio, pois, de outro modo, cometiam pecado e até poderiam ir para o inferno. Isto é monstruoso, o cume da perversão. E houve bispos, superiores maiores, cardeais, que encobriram, pois preferiram salvaguardar a instituição Igreja, quando a sua obrigação é proteger as pessoas, mais ainda quando as vítimas são crianças. O Papa Francisco chamou a esta situação "abusos sexuais, de poder e de consciência". Também diz, com razão, que a base é o "clericalismo", julgar-se numa situação de superioridade sagrada e, por isso, intocável. Neste abismo, onde é que está a superioridade do exemplo, a única que é legítimo reclamar?