Arganil investe 1,2 milhões de euros em estação de tratamento de águas residuais

o Tribunal de Contas deu parecer favorável às obras de reabilitação e beneficiação de uma estação de tratamento de águas residuais em Arganil, envolvendo um investimento de cerca de 1,2 milhões de euros, anunciou a autarquia.

"O Tribunal de Contas concedeu visto favorável à reabilitação e beneficiação da estação de tratamento de águas residuais (ETAR) da Zona Industrial da Relvinha", no Sarzedo, para a "melhoria da qualidade da massa de água associada", afirma, numa nota, a Câmara Municipal daquela vila do interior do distrito de Coimbra.

A intervenção na infraestrutura, cujos trabalhos decorrem desde o início de julho, envolve um investimento global da ordem de um milhão e 194 mil euros, financiado em 85% (que representa cerca de um milhão e 15 mil euros) por fundos comunitários, através do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), no âmbito do Fundo de Coesão.

O empreendimento, que deverá ficar concluído até outubro de 2019, visa promover "o aumento significativo da capacidade de tratamento instalada, com a introdução de fases de tratamento adicionais e equipamentos que possibilitem melhorar substancialmente o efluente libertado para o meio hídrico de descarga, contribuindo em grande medida para a qualidade da massa de água no rio Alva", refere a Câmara de Arganil.

"A concretização desta intervenção vem cumprir os fortes desígnios do município de Arganil em ver concretizado um projeto de grande importância do ponto de vista ambiental".

As obras de reabilitação e beneficiação na ETAR da Zona Industrial da Relvinha representam "um investimento inteligente e sustentável numa área industrial com avultada expressão no concelho [de Arganil], quer pela dimensão e diversidade de atividades económicas que nela se concentram, quer pela sua privilegiada localização geográfica", conclui a Câmara.

Ler mais

Exclusivos

Adolfo Mesquita Nunes

Premium Derrotar Le Pen

Marine Le Pen não cativou mais de dez milhões de franceses, nem alguns milhões mais pela Europa fora, por ter sido estrela de conferências ou por ser visita das elites intelectuais, sociais ou económicas. Pelo contrário, Le Pen seduz milhões de pessoas por ter sido excluída desse mundo: é nesse pressuposto, com essa medalha, que consegue chegar a todos aqueles que, na sequência de uma crise internacional e na vertigem de uma nova economia digital, se sentem excluídos, a ficar para trás, sem oportunidades.

João Taborda da Gama

Premium Temos tempo

Achamos que temos tempo mas tempo é a única coisa que não temos. E o tempo muda a relação que temos com o tempo. Começamos por não querer dormir, passamos a só querer dormir, e por fim a não conseguir dormir ou simplesmente a não dormir, antes de passarmos o resto do tempo a dormir, a dormir com os peixes. A última fase pode conjugar noites claras e tardes escuras, longas sestas de dia com um dormitar de noite. Disse-me um dia o meu barbeiro que os velhotes passam a noite acordados para não morrerem de noite, e se ele disse é porque é.