Arganil investe 1,2 milhões de euros em estação de tratamento de águas residuais

o Tribunal de Contas deu parecer favorável às obras de reabilitação e beneficiação de uma estação de tratamento de águas residuais em Arganil, envolvendo um investimento de cerca de 1,2 milhões de euros, anunciou a autarquia.

"O Tribunal de Contas concedeu visto favorável à reabilitação e beneficiação da estação de tratamento de águas residuais (ETAR) da Zona Industrial da Relvinha", no Sarzedo, para a "melhoria da qualidade da massa de água associada", afirma, numa nota, a Câmara Municipal daquela vila do interior do distrito de Coimbra.

A intervenção na infraestrutura, cujos trabalhos decorrem desde o início de julho, envolve um investimento global da ordem de um milhão e 194 mil euros, financiado em 85% (que representa cerca de um milhão e 15 mil euros) por fundos comunitários, através do Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR), no âmbito do Fundo de Coesão.

O empreendimento, que deverá ficar concluído até outubro de 2019, visa promover "o aumento significativo da capacidade de tratamento instalada, com a introdução de fases de tratamento adicionais e equipamentos que possibilitem melhorar substancialmente o efluente libertado para o meio hídrico de descarga, contribuindo em grande medida para a qualidade da massa de água no rio Alva", refere a Câmara de Arganil.

"A concretização desta intervenção vem cumprir os fortes desígnios do município de Arganil em ver concretizado um projeto de grande importância do ponto de vista ambiental".

As obras de reabilitação e beneficiação na ETAR da Zona Industrial da Relvinha representam "um investimento inteligente e sustentável numa área industrial com avultada expressão no concelho [de Arganil], quer pela dimensão e diversidade de atividades económicas que nela se concentram, quer pela sua privilegiada localização geográfica", conclui a Câmara.

Ler mais

Exclusivos

Premium

Ricardo Paes Mamede

Foi Centeno quem fez descer os juros?

Há dias a agência de notação Standard & Poor's (S&P) subiu o rating de Portugal, levando os juros sobre a dívida pública para os níveis mais baixos de sempre. No mesmo dia, o ministro das Finanças realçava o impacto que as melhorias do rating da República têm vindo a ter nas contas públicas nacionais. A reacção rápida de Centeno teve o propósito óbvio de associar a subida do rating e a descida dos juros às opções de finanças públicas do seu governo. Será justo fazê-lo?