André Guedes será o curador convidado do Festival Cumplicidades 2020

O artista plástico André Guedes é o curador convidado do Festival Internacional de Dança Contemporânea de Lisboa - Cumplicidades 2020, que abriu convocatória para novos projetos até ao final de janeiro, foi hoje anunciado.

De acordo com a organização, da responsabilidade da EIRA, estrutura artística com sede em Lisboa, o certame dedicado à dança voltará em terceira edição aos palcos e outros espaços da capital, em março de 2020.

Com uma curadoria diferente em cada edição, o festival convidou o artista plástico André Guedes para ser o curador da secção nacional da próxima edição.

A escolha foi feita "pelas colaborações que tem realizado ao nível da cenografia para diversos coreógrafos e encenadores, sendo a sua prática artística situada no cruzamento entre as artes visuais e as performativas", justifica a organização.

No âmbito internacional, a curadoria será partilhada entre um conjunto de festivais sediados no Mediterrâneo e Médio-Oriente, região geográfica a que o Cumplicidades tem dedicado particular atenção desde a sua origem, indica um comunicado de imprensa da organização.

André Guedes licenciou-se em Arquitetura na Faculdade de Arquitetura da Universidade de Lisboa, frequentou o mestrado em Antropologia do Espaço na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, e é atualmente doutorando na Faculdade de Belas Artes da Universidade de Lisboa.

O seu trabalho, explorando temas da história social e política, do qual resultam instalações, performances ou intervenções no espaço público, situa-se na intersecção entre as artes visuais e performativas.

A segunda edição do Cumplicidades realizou-se no ano passado, em sete espaços culturais, com a apresentação de oito criações, cinco em estreia absoluta, sob a direção artística da coreógrafa e bailarina Tânia Carvalho e, no âmbito internacional, sob a responsabilidade do artista espanhol Abraham Hurtado.

Organizado pela EIRA o festival bienal, lançado em 2015 como "ano zero", teve a primeira edição em 2016, quando foi distinguido - entre 761 festivais de 31 países - com a certificação EFFE (Europe for Festivals Festivals For Europe).

Ler mais

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Assunto poucochinho ou talvez não

Nos rankings das escolas que publicamos hoje há um número que chama especialmente a atenção: as raparigas são melhores do que os rapazes em 13 das 16 disciplinas avaliadas. Ou seja, não há nenhum problema com as raparigas. O que é um alívio - porque a avaliar pelo percurso de vida das mulheres portuguesas, poder-se-ia pensar que sim, elas têm um problema. Apenas 7% atingem lugares de topo, executivos. Apenas 12% estão em conselhos de administração de empresas cotadas em bolsa - o número cresce para uns míseros 14% em empresas do PSI20. Apenas 7,5% das presidências de câmara são mulheres.

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

Quando não podemos usar o argumento das trincheiras

A discussão pública das questões fraturantes (uso a expressão por comodidade; noutra oportunidade explicarei porque me parece equívoca) tende não só a ser apresentada como uma questão de progresso, como se de um lado estivesse o futuro e do outro o passado, mas também como uma questão de civilização, de ética, como se de um lado estivesse a razão e do outro a degenerescência, de tal forma que elas são analisadas quase em pacote, como se fosse inevitável ser a favor ou contra todas de uma vez. Nesse sentido, na discussão pública, elas aparecem como questões de fácil tomada de posição, por mais complexo que seja o assunto: em questões éticas, civilizacionais, quem pode ter dúvidas? Os termos dessa discussão vão ao ponto de se fazer juízos de valor sobre quem está do outro lado, ou sobre as pessoas com quem nos damos: como pode alguém dar-se com pessoas que não defendem aquilo, ou que estão contra isto? Isto vale para os dois lados e eu sou testemunha delas em várias ocasiões.