Ambientalistas nos EUA contestam mudanças à lei que protege espécies em extinção

A administração do Presidente norte-americano, Donald Trump, propôs na quinta-feira efetuar alterações na proteção automática para animais e plantas ameaçados de extinção, uma medida imediatamente contestada por ambientalistas.

As propostas de alteração à Lei das Espécies Ameaçadas, em vigor há mais de quatro décadas, provocaram imediata contestação por parte dos democratas e defensores da vida selvagem, que olham para as medidas como a "promoção de uma agenda anti-ambiental que vai acelerar as extinções", de acordo com a agência noticiosa Associated-Press.

Outra das emendas prevê que as decisões tomadas para a proteção dos animais sejam dissociadas do seu impacto económico.

As alterações propostas representam "um claro desejo de enfraquecer a Lei de Espécies Ameaçadas", acrescentando "obstáculos" e "lixo inútil" que "no final" representará "maior perigo para as espécies ameaçadas", acusou John Calvelli, vice-presidente da Sociedade para a Conservação da Vida Selvagem.

"As alterações não terão impacto nas espécies atualmente classificadas como ameaçadas" e "permitirá proteger, caso a caso, aquelas que no futuro sejam assim classificadas", refere um comunicado Serviço de Pesca e Vida Selvagem dos Estados Unidos.

Exclusivos

Premium

Leonídio Paulo Ferreira

Nuclear: quem tem, quem deixou de ter e quem quer

Guerrilha comunista na Grécia, bloqueio soviético de Berlim Ocidental ou Guerra da Coreia são alguns dos acontecimentos possíveis para datar o início da Guerra Fria, que alguns até fazem remontar à partilha da Europa em esferas de influência por Churchill e Estaline ainda o nazismo não tinha sido derrotado. Mas talvez 29 de agosto de 1949, faz agora 70 anos, seja a melhor opção, afinal nesse dia a União Soviética fez explodir a sua primeira bomba atómica e o monopólio da arma pelos Estados Unidos desapareceu. Sim, foi o teste em Semipalatinsk que estabeleceu o tal equilíbrio do terror, primeiro atómico e depois nuclear, que obrigou as duas superpotências a desistirem de uma Guerra Quente.