Acordo entre UE e Mercosul melhora PIB português em pelo menos 0,2% - U.Católica

A aprovação de um acordo comercial entre a União Europeia e o bloco sul-americano do Mercosul teria um impacto de 0,2% na riqueza portuguesa, segundo um novo estudo realizado pela Universidade Católica Portuguesa.

"Usando a mesma metodologia do estudo da Universidade de Manchester, de 2008, e aplicando o modelo à economia portuguesa, os resultados apontam para um impacto de 0,2% no PIB nacional, à volta de 290 milhões de euros", o dobro da vantagem para a Europa, disse à Lusa o diretor do centro de estudos aplicados da Católica.

Em declarações à Lusa à margem da Segunda Conferência sobre o Acordo União Europeia - Mercosul, que decorre hoje de manhã na Universidade Católica, Ricardo Ferreira Reis explicou que "este será o patamar mínimo de impacto que o acordo poderá ter, uma vez que o estudo é feito sem ter em conta o ajustamento que a economia fará depois da implementação do acordo", o que deverá aumentar o impacto.

Questionado sobre os setores onde o impacto será mais pronunciado, o economista disse que "há um impacto menor, até negativo, na agricultura e produção animal", mas salientou que "o impacto é amplamente positivo na parte das indústrias de fabricação de têxteis e vestuário, e os bens de capital e investimento".

Um acordo entre os dois blocos comerciais, vincou Ricardo Ferreira Reis, "teria um impacto maior e imediato na economia portuguesa precisamente naquilo que tem faltado nos últimos anos, que é o investimento".

Para este economista, "não há praticamente qualquer perda que não possa ser compensada pelas vantagens que o acordo traz, que é amplamente positivo para Portugal".

As negociações de comércio livre entre a União Europeia e o Mercado Comum do Sul (Mercosul) iniciaram-se em 1999, tendo conhecido um novo impulso no ano passado, com a troca de ofertas de acesso ao mercado, em maio, e com uma primeira ronda negocial em Bruxelas, em outubro.

Em dezembro, os negociadores reúnem-se novamente em Buenos Aires para tentarem alcançar um acordo.

Ler mais

Premium

João Gobern

País com poetas

Há muito para elogiar nos que, sem perspectivas de lucro imediato, de retorno garantido, de negócio fácil, sabem aproveitar - e reciclar - o património acumulado noutras eras. Ora, numa fase em que a Poesia se reergue, muitas vezes por vias "alternativas", de esquecimentos e atropelos, merece inteiro destaque a iniciativa da editora Valentim de Carvalho, que decidiu regressar, em edições "revistas e aumentadas", ao seu magnífico espólio de gravações de poetas. Originalmente, na colecção publicada entre 1959 e 1975, o desafio era grande - cabia aos autores a responsabilidade de dizerem as suas próprias criações, acabando por personalizá-las ainda mais, injectando sangue próprio às palavras que já antes tinham posto ao nosso dispor.