"A Sonolenta" de Marta Monteiro vence Prémio Melhor Filme português no Monstra

O filme "A Sonolenta" de Marta Monteiro arrecadou o Prémio de Melhor Filme/Sociedade Portuguesa de Autores/Vasco Granja na Competição Portuguesa do Monstra - Festival de Animação de Lisboa, anunciou hoje a organização.

O festival, que tinha inaugurado a 08 de março, apresentou mais de 500 filmes para adultos e crianças, com destaque para a Estónia, o país convidado, e para o mais recente cinema português.

Na competição de longas-metragens, o filme italiano "Gata Cinderela", dos realizadores Ivan Cappiello, Marino Guarnieri, Alessandro Rak e Dario Sansone, recebeu o Grande Prémio Monstra, anunciou a organização durante a cerimónia de encerramento e entrega de prémios, no Cinema São Jorge, em Lisboa.

Este filme recebeu também o Prémio de Melhor Banda Sonora na mesma categoria, enquanto o filme "Tem um Bom Dia", realizado por Liu Jian (China), ganhou o Prémio Especial do júri, e "A Ganha-Pão", de Nora Twomey (Irlanda/Luxemburgo/Canadá), arrecadou o Prémio do Público.

Na competição de curtas-metragens, o prémio foi para o filme francês "Espaço Negativo", realizado por David Coquart-Dassault (França), enquanto a Melhor Curta-Metragem Experimental foi para "Das Gavetas Nascem Sons", de Vítor Hugo, e a Melhor Curta-Metragem Portuguesa coube a "Água Mole", de Laura Gonçalves e Alexandra Ramires.

Na secção "Curtíssimas", dedicada a filmes com menos de dois minutos, os vencedores foram "CNN Colorscope Black", do britânico Matt Abbiss para Melhor Curtíssima, e "Uma Manhã na Feira", realizado por alunos da Escola Superior de Media Artes e Design (Porto) e do 12º ano, como Melhor Curtíssima Portuguesa.

Na competição de estudantes, o filme "Penelope", de Heta Jäälinoja (Estónia/Finlândia), foi considerado a Melhor Curta de Estudantes, e "The Voyager", realizado por João Gonzalez, recebeu o Prémio de Melhor Curta de Estudantes Portuguesa.

O Grande Prémio Monstrinha foi para o filme inglês "The Box", de Merve Cirisoglu Cotur.

Na competição "Cinema mais pequeno do mundo", o Amendoim de Ouro foi para "Island", de Robert Löbel, Max Mörtl (Alemanha), o Amendoim de Prata para "Disillusionment of 10 point font", de Greg Condon (Estados Unidos da América), e o Amendoim de Bronze para "Handbook for a Happy Scout", de Billy Huntington (Reino Unido).

No domingo vão ser exibidas as curtas premiadas, às 17:00, no Cinema São Jorge, e às 22:00, no Cinema City Alvalade, e o filme "Gata Cinderela", Grande Prémio Monstra, vai ser novamente exibido às 20:00, no Cinema São Jorge.

Da Estónia, possivelmente o país europeu com maior produção de cinema de animação, como afirmou à Lusa o diretor da Monstra, Fernando Galrito, antes do início do festival, foram mostrados cerca de 140 filmes, com a presença de realizadores como Priit Parn, Kaspar Jancis e Priit Tender.

Habitualmente, o festival dedica atenção ao Japão, desta vez com retrospetivas do cinema de Kunio Kato e Koji Yamamura, dois autores premiados com Óscares e que estarão em Lisboa.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

"Corta!", dizem os Diáconos Remédios da vida

É muito irónico Plácido Domingo já não cantar a 6 de setembro na Ópera de São Francisco. Nove mulheres, todas adultas, todas livres, acusaram-no agora de assédios antigos, quando já elas eram todas maiores e livres. Não houve nenhuma acusação, nem judicial nem policial, só uma afirmação em tom de denúncia. O tenor lançou-lhes o seu maior charme, a voz, acrescida de ter acontecido quando ele era mais magro e ter menos cãs na barba - só isso, e que já é muito (e digo de longe, ouvido e visto da plateia) -, lançou, foi aceite por umas senhoras, recusado por outras, mas agora com todas a revelar ter havido em cada caso uma pressão por parte dele. O âmago do assunto é no fundo uma das constantes, a maior delas, daquilo que as óperas falam: o amor (em todas as suas vertentes).

Premium

Crónica de Televisão

Os índices dos níveis da cadência da normalidade

À medida que o primeiro dia da crise energética se aproximava, várias dúvidas assaltavam o espírito de todos os portugueses. Os canais de notícias continuariam a ter meios para fazer directos em estações de serviço semidesertas? Os circuitos de distribuição de vox pop seriam afectados? A língua portuguesa resistiria ao ataque concertado de dezenas de repórteres exaustos - a misturar metáforas, mutilar lugares-comuns ou a começar cada frase com a palavra "efectivamente"?