Europeias: Partido Iniciativa Liberal vai recusar subvenção do Estado se eleger eurodeputados

Lisboa, 24 abr 2019 (Lusa) -- O partido Iniciativa Liberal anunciou hoje que, caso eleja algum eurodeputado e consiga subvenção do Estado, vai recusar receber esse dinheiro, alegando que esta forma de financiamento "contribui para desequilibrar ainda mais o campo eleitoral".

Num comunicado enviado às redações, o partido indica que o seu líder, Carlos Guimarães Pinto, anunciou que "mesmo que venha a ter direito a essa subvenção, recusará recebê-la", alegando que, "com a lei atual, a subvenção para campanhas eleitorais não só é excessivamente elevada, como não serve o objetivo de divulgação da mensagem política e contribui para desequilibrar ainda mais o campo eleitoral para o lado dos partidos de regime".

"Mesmo em caso de eleição, a Iniciativa Liberal recusará qualquer subvenção de campanha", lê-se na nota divulgada hoje.

O partido indica que a "lei do financiamento dos partidos foi desenhada para uma realidade diferente de quando o acesso à informação era bastante mais difícil do que é hoje".

Por isso, é referido, "numa altura em que 75% das pessoas têm acesso à internet, e virtualmente toda a população tem acesso a televisão, pensar que financiar comícios, jantares e brindes é essencial à democracia, é uma ficção criada para que os partidos políticos continuem a distribuir benesses entre os seus seguidores à custa dos contribuintes".

Citando o presidente da Iniciativa Liberal, no comunicado é referido que, "no caso das subvenções de campanha, o roubo ao contribuinte é tão descarado que só há um caminho possível".

Esse caminho, para Carlos Guimarães Pinto, passa por "não aceitar receber um euro de subvenção de campanha e lutar por mudar a lei".

"Enquanto for presidente do partido Iniciativa Liberal não aceitaremos um euro de subvenção de campanha. Até a lei mudar e acabar com esta imoralidade, é fundamental não ser conivente com ela", sublinha o líder do partido.

Para as eleições ao Parlamento Europeu, marcadas para o dia 26 de maio, a Iniciativa Liberal apresentou um orçamento de 28 mil euros.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.